Etiquetas

futebol-serigrafia-500pxO fatigante gesticular em “futebolez” que enche as televisões encobre e às vezes faz esquecer a lúdica beleza que a bola consigo traz. Não sendo atacado de clubite vejo com prazer um bem disputado jogo de futebol. Em outros jogos de bola perde-se a surpreendente magia que de súbito a criatividade de um jogador de génio pode fazer surgir do movimento de ponta do pé e bola.

 

O negócio financeiro à volta do futebol, com o seu calculismo, faz com que esses momentos sejam mais e mais raros. Resta, para quem a tem, a memória de tempo diferente recheado dessa magia, e que fez lendário o futebol brasileiro, como recorda o poema de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) que à frente transcrevo.

 

Mas o poema vai muito para além da evocação de memória do título, revela o segredo por detrás da magia da bola no pé que se faz Futebol: dá conta da volúpia do jogo e das qualificações necessárias para a fazer desabrochar:

 

 

[a bola]

é um utensílio semivivo,
de reacções próprias como bicho,
e quer, como bicho é mister
(mais que bicho, como mulher)
usar com malícia e atenção
dando aos pés astúcias de mão.

 

 

As astúcias de mão que um pé genial consegue, são, afinal, a revelação que acima referi.

 

 

 

Segue-se a totalidade do poema.

 

 

 

O Futebol Brasileiro Evocado da Europa

 

A bola não é a inimiga
como o touro numa corrida;
e embora seja um utensílio
caseiro e que se usa se risco,
não é o utensílio impessoal,
sempre manso, de gesto usual:
é um utensílio semivivo,
de reacções próprias como bicho,
e quer, como bicho é mister
(mais que bicho, como mulher)
usar com malícia e atenção
dando aos pés astúcias de mão.

 

 

Transcrito de A educação pela pedra e depois, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1997.

Anúncios