Etiquetas

, ,

Brueghel_Pieter_the_Elder-The_Triumph_of_Death_detailNum tempo que em Portugal é de horizontes bloqueados, quando o agravar de dificuldades atinge muitos, alguns há a quem a mofina não toca.

Vivem-se tempos de grande incerteza, onde a par das desigualdades o desejo de Justiça permanece,  gerando entre as gentes, se não revolta, pelo menos a perplexidade da sua existência.

Há uma espécie de desacerto nesta injustiça flagrante, como se o mundo não fizesse sentido. Isto mesmo nos diz Camões em relação ao seu tempo, na redondilha Ao desconcerto do mundo, e que hoje surge como que saída do nosso quotidiano:

Ao desconcerto do mundo

Os bons vi sempre passar
No mundo graves tormentos;
E, para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado:
Assim que, só para mim,
Anda o mundo concertado.

O poeta aborda ainda o assunto nas oitavas a dom António de Noronha, sobre o desconcerto do mundo, e interroga-se a abrir:

Quem pode ser do mundo tão quieto,
Ou quem terá tão livre o pensamento,
Quem tão experimentado e tão discreto,
Tão fora, enfim, de humano entendimento
Que, ou com publico efeito, ou com secreto,
Lhe não revolva e espante o sentimento,
Deixando-lhe o juízo quase incerto,
ver e notar do mundo o desconcerto?

Quem há que veja aquele que vivia
De latrocínios, mortes e adultérios,
Que ao juízo das gentes merecia
Perpétua pena, imensos vitupérios,
Se a Fortuna em contrário o leva e guia,
Mostrando, enfim, que tudo são mistérios,
Em alteza de estados triunfante,
Que, por livre que seja não se espante?

Quem há que veja aquele que tão clara
Teve a vida que em tudo por perfeito
O próprio Momo às gentes o julgara,
Ainda que lhe vira aberto o peito,
Se a má Fortuna, ao bem somente avara,
O reprime e lhe nega seu direito,
Que lhe não fique o peito congelado,
Por mais e mais que seja experimentado?

Num longo relato de perplexidades e juízos morais, expostos na forma interrogada, se desenvolve o poema ao longo de vinte e nove oitavas, ora interpelando o mundo ora interrogando a sua circunstância pessoal, e finalmente encaminhando o poema para os assuntos do amor com que termina:

Mas para onde me leva a fantasia?
Porque imagino em bem-aventuranças,
Se tão longe a Fortuna me desvia
Que inda me não consente as esperanças?
Se um novo pensamento Amor me cria
Onde o lugar, o tempo, as esquivanças
Do bem me fazem tão desamparado
Que não pode ser mais que imaginado?

Fortuna, enfim, co’o Amor se conjurou
Contra mim, porque mais me magoasse:
Amor a um vão desejo me obrigou,
Só para que a Fortuna me negasse.
A este estado o tempo me achegou,
E nele quis que a vida se acabasse;
Se há em mim acabar-se, que eu não creio;
Que até da muita vida me receio.

Ilustra o artigo um detalhe de O triunfo da morte, de 1562, pintura de Pieter Brueghel, o velho (1525/30-1569), eventualmente contemporânea dos poemas, e que incluí no artigo anterior com poesia de Kurt Heynicke.

Advertisements