Etiquetas

, ,

Brueghel_Pieter_the_Elder-The_Triumph_of_DeathEscritos em 1917/18, quando a primeira guerra mundial caminhava para o fim, estes poemas  de Kurt Heynicke (1891-1985) dão conta, de forma pungente, da devastação em redor.

Para além das circunstâncias de tempo e lugar, são poemas que falam da dor ao olhar o mundo. E infelizmente, sabemos todos, a guerra é nossa vizinha e visita-mo-la diariamente com a televisão.

Canção sombria

Em redor há a dor
E em redor o mundo que cai sombrio.
Eu sou no negro rio um embalar, para ele jogado em solidão.

Em mim há noite.
Estrela sem
Morte
nem túmulos.
(1918)

Posto de observação

Pelos meus olhos perpassam as colinas,
a floresta pariu a rubra lua-guarda.
Uma metralhadora patinha por detrás das estrelas.
Eu sou uma hora no silêncio.
Dos túmulos
saiu tacteando a manhã.
Um amen
goteja nos meus pensamentos.
(1917)

Despedida

O silencio fala.
Cansados entram os olhares florestas adentro pela noite
e sobre a nossa janela
morre a luz.
Mansamente
todas as sombras deslizam para os longes.
O teu cabelo murcha na minha mão.
Agora
erra o meu tactear em busca do bastão
e da luz do último vapor do rio.
(1917)

Traduções de João Barrento

Ilustra o artigo a pintura de Pieter Brueghel, o velho (1525/30-1569), O triunfo da morte, de 1562.

 

Anúncios