Etiquetas

,

Hotel by a Railroad 1955A secura pungente dos seus processos de sentimentalização, o expressionismo radical de uma redução do vivido a escassos pontos de dor essenciais (a solidão, a viagem, o fracasso, o álcool, os amores vividos e perdidos), dão forma a uma visão magoadíssima da condição individual do humano.

É com esta penetrante e belíssima síntese da obra poética de Juan Luis Panero (1942-2013) por Joaquim Manuel Magalhães que introduzo os leitores no poema Meditación idiota a la hora de acostarse solo em tradução do poeta José Bento.

Eleven AM 1926

Meditação idiota na hora de deitar-se sózinho

 

Se disseste, e tens repetido tantas vezes,

que o teu único amor é uma mala,

para que te queixas e protestas

enquanto olhas o tecto sobre tua cama solitária.

Vítima, juiz e enfim carrasco,

podes ainda sentir que estremeces porque alguém te ama,

mas tu escolheste, de certo modo, esse destino,

e agora deves pagar o preço.

Tu que pronunciaste “amo-te” tantas vezes,

para te rires depois da tua frase,

– o que esperas?, a quem pedes em vão?

Se quando encontras alguém que comparte teus dias,

tuas noites mais terríveis, tua soma de fracassos,

te mete medo dizer-lhe “continuemos sempre juntos”,

embora seja uma frase, embora não o creias,

– que final é o teu?, que esperas tu?

E se também te queixas das farsas grotescas

que amiúde, inúteis, constróis

com frívolas histórias, palavras mercenárias,

– o que pretendes? que pedes à vida?

A vida não é um jogo, deves tê-lo compreendido,

e se há algo evidente é que já envelheceste.

Conforma-te e aguenta e não peças milagres,

que o vodka te acompanhe ao silêncio e ao sono.

Aos pés da tua cama, como cadela no cio,

a morte, serviçal, dá-te as boas noites.

 

in Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea, selecção e tradução de José Bento, Assírio & Alvim, Lisboa, 1985.

Chair CarAcompanham o artigo imagens de pinturas de Edward Hopper (1862-1967).

Anúncios