Etiquetas

, ,

Romare Bearden 02Avesso que sou a efemérides com pretexto necrófilo, passo habitualmente esses eventos mediáticos em silêncio. A morte de Mandela, no que pode significar do fim de um tempo, leva-me a recordar o belo poema de Langston Hughes (1902-1967) I, Too. Romare Bearden The Block

Eu também

Eu, também, canto América.

Sou o irmão negro.

Mandam-me comer na cozinha

Quando chega alguém,

Mas rio,

E como bem,

E cresço forte.

 

Amanhã,

Estarei à mesa

Quando alguém chegar.

Ninguém se atreverá,

Então,

A dizer-me,

“Come na cozinha”.

 

Além disso,

Verão como somos belos

E terão vergonha—

 

Eu, também, sou América.

Romare Bearden - La Primavera - 1967

Original

I, Too

I, too, sing America.

 

I am the darker brother.

They send me to eat in the kitchen

When company comes,

But I laugh,

And eat well,

And grow strong.

 

Tomorrow,

I’ll be at the table

When company comes.

Nobody’ll dare

Say to me,

“Eat in the kitchen,”

Then.

 

Besides,

They’ll see how beautiful we are

And be ashamed–

 

I, too, am America.

Romare Beardwn EVENING 1985

Pode o leitor interessado ouvir aqui o poema lido pelo  poeta.

 Romare Bearden Gospel-Morning 1987

Termino com He’s got the whole world in his hands cantado por Marian Anderson (1897-1993).

Romare Bearden Fish Fry

Acompanham o artigo imagens de pinturas/colagens de Romare Bearden (1911–1988).

O leitor curioso encontra nas páginas da Wikipédia informação relevante sobre Langston Hughes, Romare Bearden e Marian Anderson.

Anúncios