Etiquetas

,

Embalado pela atmosfera campestre exalada dos poemas de Bulhão Pato que li para a escolha anterior, convido os leitores à poesia das paisagens pintadas por John Constable (1776-1837). Pintura herdeira da escola holandesa do século XVII onde a gente humilde ganha direito de cidadania, é a harmonia da vida campestre que aqui se faz assunto.
A algumas das pinturas de John Constable acrescento um detalhe especialmente eloquente da sua atmosfera poética.

Sendo esta pintura contemporânea da poesia de John Keats (1795-1821), o génio que morreu jovem, aproveito e transcrevo o seu soneto XVII.

Happy is England! I could be content
To see no other verdure than its own;
To feel no other breezes than are blown
Through its tall woods with high romances blent:

Yet do I sometimes feel a languishment
For skies Italian, and an inward groan
To sit upon an Alp as on a throne,
And half forget what world or worldling meant.

Happy is England, sweet her artless daughters;
Enough their simple loveliness for me,
Enough their whitest arms in silence clinging:

Yet do I often warmly burn to see
Beauties of deeper glance, and hear their singing,
And float with them about the summer waters.

Veja-se agora o detalhe. do motivo central.

Detalhe do motivo à direita.

Nesta pintura de 1810 é já a pincelada de Claude Monet que se insinua.

Termina aqui esta bucólica viagem pela vida no campo inglês no início do século XIX.

Anúncios