Etiquetas

,

Piero di Cosimo - Perseu ataca o monstro - detalhe de Andrómeda libertada por PerseuUm destes dias veio ao meu encontro o poema de Ángel González (1925-2008) que hoje transcrevo, Entreacto, em tradução de Egito Gonçalves (1920-2001).

A campanha eleitoral anima-nos o dia-a-dia televisivo. Nas pausas que o trabalho permite tenho olhado a televisão à hora das notícias.  Perante a conversa e os personagens que fazendo pela vida tentam convencer-nos do que é bom para cada um de nós com:

 

Aqueles

ineficazes e tortuosos diálogos

com referências a ontem, a um tempo

ido,

completam, no entanto,

o panorama esfarrapado que ante nós

se depara, e talvez

então expliquem muitas coisas, sejam

a chave que no final justifique

tudo.

 

(fim de citação), invade-me uma melancolia inaudita, afinal resultado dos tantos anos em que os personagens repetem a peça.

 

Como luva que calça a atmosfera política do Portugal de hoje, é do que talvez alguns também sintam que o poema fala.

Após o fragmento anterior, eis o poema na totalidade da tradução e no original.

 

Entreacto

 

Não acaba aqui a história.

Isto é só

uma pequena pausa para que descansemos.

A tensão é tão grande,

a emoção que a trama desprende é tão

intensa,

que todos,

bailarinos e actores, acrobatas

e o distinto público,

agradecemos

a trégua convencional do entreacto,

e comprovamos

alegremente que tudo era mentira,

enquanto os músicos afinam os violinos.

Até agora, vimos

várias cenas rápidas que preludiavam a morte,

conhecemos o rosto de certos personagens

e sabemos

algo que inclusivamente muitos deles ignoram:

o móbil

da traição e o nome

de quem a praticou.

Não ocorreu ainda nada de definitivo

mas

o desespero e os intérpretes

tentam evitar o rigor do destino

pondo demasiado calor nos seus exuberantes

ademanes, demasiado colorido nos seus sorrisos

falsos,

com que — é evidente — dissimulam

a sua covardia, o terror

que dirige

os seus movimentos no cenário.

Aqueles

ineficazes e tortuosos diálogos

com referências a ontem, a um tempo

ido,

completam, no entanto,

o panorama esfarrapado que ante nós

se depara, e talvez

então expliquem muitas coisas, sejam

a chave que no final justifique

tudo.

Não esqueçamos também

as palavras de amor junto ao tanque

o gesto demudado, a violência

com que alguém disse:

                                     “não”

                                               olhando o céu,

e a surpresa que produz

o torvo jardineiro quando anuncia:

“chove, senhores,

chove

ainda”.

Mas talvez seja cedo para conjecturas:

deixemos

que a tramóia se prepare,

que os que hão-de morrer recuperem o alento,

e pensemos,

quando o drama prosseguir e a dor

fingida

se torne verdadeira em nossos corações,

que nada se pode fazer, que está próximo

o fim que tememos de antemão,

que a aventura acabará, sem dúvida,

como deve acabar, como está escrito,

como é inevitável que suceda.

 

 

Original em castelhano
Entreacto

 

No acaba aquí la historia.

Esto es solo

una pequeña pausa para que descansemos.

La tensión es tan grande,

la tensión que desprende la trama es tan

intensa,

que todos,

bailarines y actores, acróbatas

y distinguido público,

agradecemos

la convencional tregua del entreacto,

y comprobamos

alegremente que todo era mentira,

mientras los músicos afinan sus violines.

Hasta ahora hemos visto

várias escenas rápidas que preludiaban muerte,

conocemos el rostro de ciertos personajes

y sabemos

algo que incluso muchos de ellos ignoran:

el móvil

de la traición y el nombre

de quién la hizo.

Nada definitivo ocurrió todavía

pero

la desesperación está nítidamente

dibujada, y los intérpretes

intentan evitar el rigor del destino

poniendo

demasiado calor en sus exuberantes

ademanes, demasiado carmín en sus sonrisas

falsas,

con lo que -es vidente- disimulan

su cobardía, el terror

que dirige

sus movimientos en el escenario.

Aquellos

ineficaces y tortuosos diálogos

refiriéndose a ayer, a un tiempo

ido,

completan. sin embargo,

el panorama roto que tenemos

ante nosotros, y acaso

expliquen luego muchas cosas, sean

la clave que al final lo justifique

todo.

No olvidemos tampoco

las palabras de amor junto al estanque,

el gesto demudado, la violencia

con que alguien dijo:

«no»,

mirando al cielo,

y la sorpresa que produce

el torvo jardinero cuando anuncia:

«Llueve, señores,

llueve

todavía.»

Pero tal vez sea pronto para hacer conjeturas:

dejemos

que la tramoya se prepare,

que los que han de morir recuperen su aliento,

y pensemos,

cuando el drama prosiga y el dolor

fingido

se vuelva verdadero en nuestros corazones,

que nada puede hacerse, que está próximo

el final que tenemos de antemano,

que la aventura acabará, sin duda,

como debe acabar, como está escrito,

como es inevitable que suceda.

 

Notas bibliográfica e iconográfica

 

O poema foi transcrito de Poesia Espanhola do Após-Guerra, Portugália, Lisboa, s/data.

O poema original foi publicado no segundo livro de poesia de Ángel González, Sin Esperanza Con Convencimiento (1961) e pode ser encontrado na sua Obra Poética (1956-2001), Palabra sobre palabra, Seix Barral, Barcelona, 2004.

A imagem que abre o artigo é um detalhe de Andrómeda libertada por Perseu, pintura a óleo sobre madeira de (1510-1513), pintada por Piero di Cosimo (1461-1522) que pertence à colecção da Galeria Uffizi de Florença.

Alegoricamente a imagem conduz à sobre-humana força temperada da ajuda divina proveniente do Olimpo europeu, que não grego, e aqui personificada em Perseu, de que o governo deu provas ao derrotar o monstro, nas diversas capas que vestiu.

Sarcasmo? Talvez…

agradecemos

a trégua convencional do entreacto,

e comprovamos

alegremente que tudo era mentira,

enquanto os músicos afinam os violinos.

e pensemos,

quando o drama prosseguir e a dor

fingida

se torne verdadeira em nossos corações,

que nada se pode fazer, que está próximo

o fim que tememos de antemão,

que a aventura acabará, sem dúvida,

como deve acabar, como está escrito,

como é inevitável que suceda.

Anúncios