Etiquetas

, ,

Okada_Kenzo-Grey 1970*

Velha cidade silenciosa…

O perfume das flores flutuando

e à noite um sino a cantar.

 **

Na ressaca da maré

pequenas conchas brilhantes

matizadas com pétalas de trevo.

 ***

Purificar, gotas de orvalho

em vossa tão breve água

estas mãos escuras e vivas!

 ****

Silêncio profundo!

Até o cantar dos grilos

está escondido nas rochas…

 *****

Acorda! O céu iluminou-se!

Vamos novamente para a rua

amiga borboleta.

 ******

Ouçam o velho tanque.

O ruído de rãs saltando

em águas onde nadei.

 

Poemas de Matsuo Bashô (1644-1694) em traduções de Casimiro de Brito (1938) publicadas em POEMAS ORIENTAIS, hai-cais, 1958-1963.

Transcritos de Ode & Ceia, Poesia 1955-1984, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1985.

Acompanha esta poesia uma imagem da pintura de Kenzo Okada (1902-1982).

Pesquisando no blog por Haiku, encontrará o leitor curioso outros poemas e também considerações sobre a técnica do Haiku.

Anúncios