Etiquetas

,

Toda a gente parece saber tudo sobre Van Gogh(1853-1890) pelo que me escuso à redundância.

A pintura de Van Gogh foi a primeira pintura que conheci, dentre os incontornáveis génios que povoaram a humanidade, aí por meados dos anos sessenta, e gostei dela desde o primeiro olhar.  Encontrei-a através de uns folhetos publicados no Brasil e distribuídos em Portugal, e que fizeram uma colecção, Génios da Pintura chamada. O fascículo sobre Van Gogh abria a colecção, se bem recordo.

Não têm sido muitas as oportunidades de  ver a pintura de Van Gogh, e tantas pinturas há que apenas conheço de fotografia. Não é o mesmo. O impacto da escala, sobretudo, mas também o da textura, são cruciais para a emoção de ver. Com as fotos fica apenas a impressão primeira e o apetite para o real. Possam estas fotos abrir esse apetite a alguém.

Estas são apenas alguma imagens de pinturas, porventura menos conhecidas, aqui deixadas para alegrar alguém querido e está longe. Permito-me apenas referir quanto a constância da paleta cromática faz prodígios de um quadro para outro em que é usada, variando da tristeza à alegria e da turbulencia à quietação, apenas graças à força do desenho conjugado com a aplicação do colorido e à variação da textura na aplicação da tinta.

 Acrescento uma canção da minha juventude, Vincent, de Don McLean, escrita em memória de Van Gogh e façamos assim uma visita ao baú. À data da publicação, era moda entre as raparigas, o uso de calções curtos e justos, chamados Hot Pants. Nas festas de sábado à tarde, dançar esta Vincent, agarrado como era de norma, fazendo descer as mãos ao longo das costas até às redondas saliências modeladas pelos calções era uma antevisão adolescente de paraiso.

Vamos então à canção escrita e interpretada por Don McLean

Anúncios