Etiquetas

Não sou casado, senhora,/…/ não casei o coração.

Assim começa uma cantiga de Bernardim Ribeiro (14?? – 15??) que é uma fascinante legitimação do adultério.

Casou o poeta antes de conhecer aquela que agora ama, e para justificar o desejo desta nova amada, serve-se do inesperado argumento de que afinal só casou uma mão:

Antes que vos conhecesse, / sem errar contra vós nada, / uma só mão fiz casada,

Assistimos ao longo da canção à apresentação das razões que legitimam o adultério, quais sejam:

Dizem que o bom casamento / se há de fazer de vontade.

se a outrem dei a mão, / dei a vós o coração.

Como, senhora, vos vi, / sem palavras de presente / na alma vos recebi, / onde estareis para sempre,

Por detrás destas conversas poéticas espreita sempre o que já sabemos,

O casar não fez mudança /… / nem me negou a esperança / do galardão esperado.

e tentando obtê-lo termina o poeta:

Não me engeiteis por casado, / que, se a outra dei a mão, / a vós dei o coração.

Segue-se a Cantiga na integra:

Cantiga

Não sou casado, senhora,
que ainda não dei a mão,
não casei o coração.

Antes que vos conhecesse,
sem errar contra vós nada,
uma só mão fiz casada,
sem que mais nisso metesse.
Dou-lhe que ela se perdesse!
solteiros e vossos são
os olhos e o coração.

Dizem que o bom casamento
se há de fazer de vontade.
Eu, a vós, a liberdade
vos dei, e o pensamento.
Nisto só me achei contento:
que, se a outrem dei a mão,
dei a vós o coração.

Como, senhora, vos vi,
sem palavras de presente
na alma vos recebi,
onde estareis para sempre,
não de palavra somente;
nem fiz mais que dar a mão,
guardando-vos o coração.

Casei-me com meu cuidado
e com vosso desejar.
Senhora, não sou casado,
não mo queirais acuitar!
que servir-vos e amar
me nasceu do coração
que tendes em vossa mão.

O casar não fez mudança
em meu antigo cuidado,
nem me negou a esperança
do galardão esperado.
Não me engeiteis por casado,
que, se a outra dei a mão,
a vós dei o coração.

Ó quão constante é entre os homens, independentemente das épocas, a dicotomia entre amor e casamento.

A versão transcrita do poema de Bernardim Ribeiro retirei-a da antologia Poesia de Amor organizada por José Régio e Alberto de Serpa, e publicada em 1945 pela Livraria Tavares Martins do Porto.

Sobre a biografia do poeta nada se sabe com exactidão ainda que pela net continuem a circular as fantasias que têm passado por dados biográficos do poeta.

Anúncios