Etiquetas

Depois das seríssimas questões poeticamente abordadas nos últimos dias, volto à alegria simples da plenitude do amor com um curto poema de um nosso antepassado quando a península era o Al-Andaluz, Ibn Sâlih Ash-Shantamarî.

Os tempos eram violentos, as paixões também, e os homens encontravam repouso nos prazeres e no seu relato poético.

Aproveitai do curto poema para o longo prazer que ele revela.

 India sec XVIII 1

na mais luminosa noite

repouso ao corpo não dei

e de meus olhos o sono

nessa noite eu apartei:

aos brincos dela as argolas

dos tornozelos juntei.

India sec XVIII 2

Aos leitores a escolha de qual o caminho para unir os brincos às argolas dos tornozelos, sendo certo que o nosso poeta nos diz — repouso ao corpo não dei — pudera…

Esta poética versão de uma noite de amor foi mudada para português por Adalberto Alves, e consta da antologia O Meu Coração é Árabe, Assírio & Alvim, Lisboa, 1999.

 

Diz-nos o antologiador que o poeta era natural de Faro, e terá vivido o século XII.

 

As pinturas que abrem e fecham o poema, são miniaturas da Índia do século XVIII, e pertencem à colecção do Museu Britânico.

 

Anúncios