Etiquetas

,

Jean Froissart - cerco lisboa em 1384Lermo-nos pelo olhar dos outros, quando inteligentes e despreconceituados, ajuda-nos a perspectivar uma história e um sentir colectivo que frequentemente parece perdido nestes conturbados tempos de crise.

É sabido o conhecimento, o carinho, e admiração de Don Miguel de Unamuno (1864-1936) por Portugal, pela cultura portuguesa, por terras e gentes de Portugal; o que a correspondência conhecida, trocada com grandes vultos da cultura portuguesa, e o livro Por Tierras de Portugal y de España evidenciam.

Transcrevo hoje o poema PORTUGAL dando na sua forma condensada em soneto, algo do que nos define enquanto povo: a geografia que nos desenhou e a história que deixou para as mulheres a guarda do que ficou, quais leoas de olhar desconfiado protegendo as crias, e a ansiedade expectante do que o futuro trará. Partem os homens na busca de melhor vida. Regressarão?

 

Não sei se será este PORTUGAL o poema a que Unamuno se refere em carta a Manuel Laranjeira datada de Salamanca, 08-10-1908, onde diz a certa altura:

“Voltei outra vez a um poema que comecei há três anos no Porto e a que chamo Portugal. Essa sua terra atrai-me e atrai-me sobretudo por causa das suas desgraças e prostração.

 

PORTUGAL

 

Do atlântico mar na praia areosa

uma matrona descalça e desgrenhada

senta-se ao pé de uma serra coroada

por triste pinheiral. Nos joelhos pousa

 

os cotovelos e nas mãos a ansiosa

face, e olhos de leoa desconfiada

crava no poente; o mar dá a toada

trágica, de altos feitos sonorosa.

 

Fala de vastas terras e de azares

enquanto ela, seus pés nessas espumas

banhando, sonha no fatal império

 

que se sumiu nos tenebrosos mares,

e olha como entre agoureiras brumas

se ergue D. Sebastião, rei do mistério.

 

Salamanca, 28 IX 1910

Tradução de José Bento in Miguel de Unamuno, Antologia Poética, Assírio & Alvim, Lisboa, 2003.

 

Termino com o poema-homenagem que Miguel Torga (1907-1995) escreveu para Unamuno.

 

Unamuno

 

D. Miguel…

Fazia pombas brancas de papel

Que voavam da Ibéria ao fim do mundo…

Unamuno Terceiro!

(Foi o Cid o primeiro,

D. Quixote o segundo.)

 

Amante duma outra Dulcineia,

Ilusória, também

(Pátria, mãe,

Ideia

E namorada),

Era seu defensor quando ninguém

Lhe defendia a honra ameaçada!

 

Chamado pelo aceno da miragem,

Deixava o Escorial onde vivia,

E subia, subia,

A requestar na carne da paisagem

A alma que, zeloso, protegia.

 

Depois, correspondido,

Voltava à cela desse nosso lar

Por Filipe Segundo construído

Com granito da fé peninsular.

 

E falava com Deus em castelhano.

Contava-lhe a patética agonia

Dum espírito católico, romano,

Dentro dum corpo quente de heresia.

 

Até que a madrugada o acordava

Da noite tumular.

E lá ia de novo o cavaleiro andante

Desafiar

Cada torvo gigante

Que impedia o delírio de passar.

 

Unamuno Terceiro!

Morreu louco.

O seu amor, por ser demais, foi pouco

Para rasgar o ventre da Donzela.

D. Miguel…

Fazia pombas brancas de papel,

E guardava a mais pura na lapela.

 

Publicado em Poemas Ibéricos (1ªedição em 1965).

 

Abre o artigo uma iluminura medieval figurando o cerco castelhano a Lisboa durante a crise de 1383-1385 — “Se Lisboa se não opusera todo o reino se perdera, D. João I”.

Termino com outra iluminura, desta vez pretendendo ilustrar a batalha de Aljubarrota onde Castela foi definitivamente derrotada, e figurou como heroína a célebre Padeira de Aljubarrota.

Batalha Aljubarrota

Anúncios