Etiquetas

,

Bacon_Francis-Study_for_a_Portrait_March_1991A este poema, Noticia ao entardecer, vindo da Madrid do após-guerra, leio-o como eco da devastação de alma que socialmente nos atravessa.

Noticia ao entardecer

Devia ter-te escrito há tempos uma carta
dizendo entre outras coisas: “na província chove,
minha irmã foi para freira,
eu perdi o emprego”.
Possivelmente responderias com a tua letra
miúda sobre o papel:
“Lamento isso da tua irmã
mas alegro-me com a chuva
que é boa para as colheitas”.
Há tempos, amigo, devia ter-te escrito
para te contar coisas de importância:
por exemplo que estou bastante só
depois daquele amor;
por exemplo que durmo muitas horas
para me esquecer de que existo;
por exemplo que estou bastante triste
mas que em algum país haverá eleições
antes do mês de Janeiro.
Terias respondido com a tua letra:
“Não me agrada o teu estado” ou “é preciso
que sacudas o tédio”.
Terias respondido com a tua letra
miúda sobre o papel:
“Eu conheci um senhor que estava morto…”
Ter-me-ias dito que não importa nada,
não importa estar triste ou solitário
se na província chove,
se as colheitas foram boas este Verão
haverá por aí dinheiro em abundância.
Dir-me-ias: “Amigo, o que importa
é ter vontade; quem quer pode”.
(Eu conheci um senhor que estava morto…)
O tal senhor que estava morto, estava
somente um pouco ferido. Disseram-no
os jornais. Até recordo a data.
Ressuscitou, é certo, mas estava
somente um pouco ferido.
Em troca sinto-me destruído, descentrado;
não tenho remédio; passeio,
Vou à taverna e escrevo
cartas que nunca saem de Madrid.
Não falo com ninguém, nunca pergunto
como acabou a festa.
Diz-me se ainda é possível escrever cartas.
Diz-me se ainda é possível estar mais morto.

A poesia de Gabino Alejandro Carriedo (1923-1981) é um daqueles segredos bem guardados e que vale a pena desvendar. Poesia transversal a escolas, lida hoje surge como nossa contemporânea, tanto na oficina como nos temas onde um “eu e o mundo” se reflecte.

O poema Noticia ao entardecer foi publicado na antologia Poesia Espanhola do Após-Guerra, com escolha e tradução do poeta Egito Gonçalves, editada por Portugália Editora em Lisboa, no inicio dos anos sessenta do século XX.

 

Anúncios