Etiquetas

,

Na infinita variedade poética do haiku japonês, apesar da recorrência dos assuntos, lê-los é sempre um convite à tranquilidade de alma e serenidade do viver:

*

Passeando

cheguei ao fim

do último dia de primavera

 

Encontramos quase sempre em cada poema sentidos múltiplos de leitura. No poema anterior, por exemplo, à tranquilidade com que a vida decorreu associada ao passeando, podemos também ler, tomando primavera como metáfora de juventude, com esta já chegou ao fim e vivê-la foi um tempo agradável.

 

A constância na repetição cíclica de que a natureza dá mostras, e a forma como os homens com ela convivem, salpicados aqui e ali pela realidade social, são a matéria primeira da mão-cheia de haikai de Yosa Buson (1716-1784) que em tempo transpus para português a partir de traduções inglesas, e hoje trago ao blog.

 

Poemas

 

*

Passeando

cheguei ao fim

do último dia de primavera

217

 

*

Os dias vão aumentando

e o passado

cada vez mais longe

116/983

 

*

Ah, que prazer

atravessar um ribeiro no verão

sandálias na mão

318/960

 

*

Trouxe a melancolia do meu coração

ao cimo da colina

para as rosas silvestres em flor

327

 

*

Enquanto contemplo as flores o sol põe-se

estou longe de casa

o caminho continua pelo campo

177

 

*

Ainda há pouco

o vento sussurrava no arroz selvagem

agora está numa fúria invernal

762

 

*

Pereiras em flor

uma mulher lê uma carta

ao luar

205

 

*

Jovem chorão 

devo chamar-te árvore ou erva

deixemos o Imperador dizer

13

 

*

Três tigelas de guisado

e afinal

sentes-te rico

3

 

*

Camponeses lavram os campos

sob os cartazes

anunciadores de novas leis

111

 

Versões de Carlos Mendonça Lopes a partir de traduções inglesas nas edições seguintes:

(1) W. S. Merwin e Takako Lento, Collected Haiku of Yosa Buson, Copper Canyon Press, Washington, 2013.

(2) Traditional Japanese Poetry, translated, with ao introduction, by Steven D. Carter, Stanford University Press, 1991.

A numeração que segue os poemas identifica-os nas edições referidas.

Abre o artigo a imagem de uma gravura de Hokusai (1760-1849), uma das 36 vistas do Monte Fuji, a vista 21.

 

Anúncios