Etiquetas

, , , , ,

Convida-nos Fernando Aguiar (1956) para Dois Dedos de Conversa (1981) com o poema visual de abertura, e aceite o convite, sentemo-nos primeiro no bancu (1975) concebido por António Aragão (1921-2008):

e comecemos com E. M. de Melo e Castro(1932) e três dos seus poemas visuais. Primeiro: Pêndulo, (1962):

Olhá-lo produz inevitavelmente Tontura, (1962):

Uma das consequências eventuais desta experiência pode ser o Hipnotismo, (1962):

E é assim, leitor(a), que tonto ou hipnotizado, seguimos até à Alemanha Barroca, onde a imaginação poética e gráfica de alguns senhores nos é trazida de forma brilhante pela tradução de João Barrento.

Temos para começar uma filosófica Ampulheta dando conta do passar do tempo e consequência, pensada por Theodor Kornfeld (1636-1698):

Sabendo que a vida é efémera e o tempo, inescapável, corre, perguntemos com Georg Philipp Harsdörffer (1607-1658), enquanto a vida o permitir: Dizei lá: O que é o Amor?

Informados que estamos de que o Amor é Estrada de muitos cansaços. Fogo que arde eternamente., não resisto a introduzir aqui o Bibelô saído da pena de Décio Pignatari (1927-2012), instrumento simultaneamente portador do fogo e vítima do cansaço de o procurar extinguir quando se fala de amor:

Termino com mais um poema de Fernando Aguiar, (c)entro (1978), onde se entra com o instrumento, procurando extinguir o fogo, o que o poema claramente elucida:

E assim concluo esta curta viagem pela poesia visual, num percurso temporal,  geográfico, e poético, alargado: do séc.XVII ao séc. XX, passeando entra Portugal, Alemanha, e Brasil.

A subversão pelo olhar é um dos trunfos da poesia visual, dando a ver por outro prisma, ideias e conceitos, e despertando pelo inesperado o gozo da surpresa. Trazê-la ao blog é tarefa quase impossível decorrente das limitações de formatação. Daí apenas esta pequeníssima escolha a juntar a outras pontuais e anteriores de Salette Tavares e José Lino Grünwald.

 

 

Nota bibliográfica

O Cardo e a Rosa, Poesia do Barroco Alemão, seleção, tradução e prefácio de João Barrento, Assírio & Alvim, Lisboa, 2002.
Antologia da Poesia Experimental Portuguesa, Anos 60 – Anos 80, organizadores Carlos Mendes de Sousa e Eunice Ribeiro, Angelus Novus Editora, Coimbra, 2004.
Décio Pignatari, Poesia pois é poesia, 1950-2000, Ateliê Editorial e Editora Unicamp, Campinas, 2004.

 

Anúncios