Etiquetas

,

Faço há longos anos férias na praia, numa praia popular. A casa tem a vantagem de, ao sair, atravessar a rua e estar com o pé na areia. O areal é extenso, o mar, habitualmente manso, permite-me nadar as centenas de metros que me fazem desejar voltar uma e outra vez.
Sendo uma praia que atrai multidões, a vizinhança nos toldos leva inevitavelmente a partilharmos a intimidade de quem nos rodeia.
Sucedem-se as semanas e um pouco de Portugal de norte a sul desfila. Se as preocupações, cuidados e comportamentos não têm variação geográfica, nas gerações mais novas o quadro de maneiras, interesses, e formas de estar social, reproduzem os hábitos ancestrais dos seus maiores (para usar a expressão espanhola), assegurando a continuidade do bom e mau que recebem sem filtro.
Não há gadgets tecnológicos, bric-a-brac que o dinheiro compre e permita evidenciar uma melhoria económica em relação ao passado, que mude uma postura e gostos, que são afinal, um lastro cultural que se carrega.
Se na forma de ser há muito de bom e louvável, nas maneiras em que o respeito pelo outro se deveria manifestar, há provavelmente décadas de polimento ainda a percorrer.
Uma cena presenciada estas férias leva-me ao poema de João de Deus (1830-1896), Mal de pés, que a seguir transcrevo.

O poema pinta um retrato satírico de uma conversa entre dois homens de afastado meio cultural: um, o português campónio enriquecido no Brasil, a quem a fortuna recente não retirou a franqueza nem deu hábitos novos de higiene, outro, o inglês, protótipo imaginário do gentleman, com as suas modelares maneiras em sociedade e a ironia fina na conversação:

“E diga-me: em lavando os pés refina,
Ou sente algum alívio?”

 

Para os leitores brasileiros do blog deixo um esclarecimento talvez necessário: o brasileiro do poema era, desde meados do século XIX em Portugal, um português regressado rico de uma emigração no Brasil. A boçalidade do comportamento aliada a vaidades, e prodigalidade que o dinheiro pagava, transformaram estes indivíduos num tipo literário em voga por largos anos.

 

Mal de pés

Certo patrício nosso brasileiro,
Depois de ter corrido o mundo inteiro
Ao voltar de Paris desenganado
Dos médicos, que tinha consultado,
Achou-se num wagon com um inglês.
O desgraçado tinha mal de pés…
E a última palavra da ciência
Era ir vivendo e tendo paciência!

Mostrou-se o bife* incomodado,
Fungando para um e outro lado…
Como quem busca o foco de infecção;
Diz-lhe o nosso infeliz compatriota,
A apontar-lhe com o dedo a bota
E exalando um suspiro de paixão:
— Eis a causa, senhor, eis o motivo!…
O que eu não sei é como ainda vivo!


Tenho gasto rios de dinheiro,
E sempre, sempre, sempre o mesmo cheiro!
E isto por ora vá!… mas alto dia
Quando aperta o calor… Virgem Maria!…

“E diga-me: em lavando os pés refina,
Ou sente algum alívio?”
— Isso não sei,
Sei que tenho exaurido a medicina;
mas lavar é que nunca experimentei.

Às vezes dá-se ao médico o dinheiro
Que se devia dar ao aguadeiro**.

 

* calão para designar ingleses, entretanto caído em desuso, (cf. Dicionário de Calão, Albino Lapa, Editorial Presença, Lisboa, 1974).
** homem que no século XIX vendia água e carregava os respectivos potes até à morada do cliente.

in Campo de Flores, Satíricas e Epigramas.

Abre o artigo a imagem de uma caricatura de Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) publicada em Álbum de Glórias.

Anúncios