Etiquetas

Teaching literacyA linguagem originária á a linguagem da poesia.

Contudo, o poeta não é aquele que faz versos sobre o respectivo agora. A poesia não é um calmante para rapariguinhas delirantes, um estímulo para os estetas que pensam que a arte é para desfrutar e lamber. A verdadeira poesia é daquele ser que já há muito nos foi profetizado e que nós ainda não alcançámos. Por isso, a linguagem do poeta não é nunca actual, mas sempre sido e futuro. O poeta nunca é contemporâneo. Os poetas contemporâneos deixam-se, na verdade, classificar como tal, mas permanecem, apesar disso um contra-senso. A poesia, e com ela a linguagem em sentido próprio, acontecem só lá onde o vigorar do ser é trazido à intangibilidade superior da palavra originária.

 

in Martin Heidegger, LÓGICA A pergunta pela essência da linguagem. edição FCG, Lisboa 2008.

Tradução de Maria Adelaide Pacheco e Helga Hoock Quadrado

Anúncios