Etiquetas

,

Wood, Grant-American Gothic 1930Amor

Todas as noites
sonhar com a mulher
deitada ao teu lado.

Nem sempre aforística, como nesta definição de Amor, a poesia de Gueorgui Gospodinov (1968), poeta búlgaro, surge-nos com o peso preciso de cada palavra, dando ao verso e aos poemas a extraordinária capacidade de nos fazer voar a imaginação.

Acrescento mais alguns poemas retirados da recolha poética O Coelho do Amor, onde a lemos em tradução portuguesa de Zlatka Timenova-Valtcheva e Petar Petrov.

Wood, Grant-Haying 1939

O Coelho do amor

Volto já, disse
e deixou a porta aberta.
A noite era especial para nós,
no fogão cozia coelho,
com cebola, rodelas de cenoura
e dentes de alho.
Nem casaco levou,
nem pôs batom, não perguntei
para onde ia.
Assim é ela.
Nunca teve noção
do tempo, chegava tarde para os encontros
e naquela noite
disse simplesmente
Volto já,
e nem a porta fechou.

Seis anos após aquela noite
encontro-a numa outra rua,
pareceu-me assustada,
como alguém que se lembra
de ter deixado o ferro de engomar ligado
ou algo assim…

O fogão? Desligaste-o?
Ainda não, disse eu,

esses coelhos são muito rijos.

Wood, Grant-The Good Influence 1936

Um sonho em Dianopolis

Não o procurei foi uma coincidência
do olhar e da janela
numa tarde quando
a entrevi nua
só depois soube o seu nome
uma das muitas Dianas
no polis sonolento

agora estou a esconder-me nos campos
os meus cornos ficam rígidos
os meus pés transformam-se em cascos
crescem os meus caninos
e começam a perseguir-me ladrando
para dentro
galgos em mim
veado e cão veado e cão veado
e cão eu sou

(Nota minha: Diana, deusa itálica que se comprazia apenas na caça)

Depois da pungente ironia destes poemas sobre paixão e abandono alguns cruzamentos com a perplexidade de Deus.

Deus
talvez seja feliz
porque não tem o seu
Deus

Wood, Grant-Appraisal 1931

Ensino supremo

Deus tem o seu saber.
No fim dos nossos discursos
coloca cruzinhas em vez de pontos,
coloca cruzinhas em vez de assinatura.
Deus, digo-te ao ouvido,
tem a sua sabedoria.

Wood, Grant-New Road 1939

As notícias

Ela fecha o jornal e diz:
leste, em Ayova
caiu granizo — pedaços
como bolas de golfe,
perderam muitas bolas
e agora elas voltam.
Ele devolve-lhes as bolas,
percebes? Aquele Brincalhão!
Mas ela não ri
e diz horrorizada:

Ele tem sempre boa pontaria.

Wood, Grant-Young Corn 1931

Regresso à concisão poética do inicio, para terminar esta curta viagem:

A minha mãe está a chorar
As suas lagrimas caem no céu
e fermentam a Via Láctea

Wood, Grant-Daughters of Revolution 1932Acompanham os poemas pinturas do norte-americano Grant Wood (1891-1942).

Noticia bibliográfica

O Coelho do Amor, recolha poética com poemas de Gueorgui Gospodinov, provenientes dos livros Lapidarium (1992), A cerejeira e o povo (1996), prémio para o melhor livro do ano, Cartas a Gaustin (2003), e Os domingos no mundo, foi publicada por Roma Editora, Lisboa 2010.

 

Anúncios