Etiquetas

, , , , , , ,

MBDCIKA EC019Hoje arquivo no blog duas imagens icónicas do poder e do sexo, os pólos em que a humanidade se move, produzidas pelo cinema.

Na foto acima, do filme Citizen Kane, O mundo a seus pés em português, até há pouco o melhor filme de sempre para alguma critica, Orson Welles, o actor e realizador, com o peso da sua figura sobredimensionada pela visão obliqua a partir de cima, olha-nos na ironia suficiente dos poderosos, pisando o mundo, imageticamente contido nas notícias dos jornais, que na historia do filme o homem domina e manipula. Retrato simbólico do poder nos nossos dias, onde dinheiro e comunicação social se combinam no controle insidioso do pensar e vontade das gentes.

la dolce vita2

Aqui, no filme de Federico Fellini, La Dolce Vita, Anita Ekberg esplende, de perfil, oferecendo a cara e o corpo à água que da Fontana Trevi cai, e sobre ela corre.

Na complexidade simbólica da fotografia, é a imagem conceptual da mulher como fonte de prazer o que instantaneamente lemos: cabelos longos, opulência de curvas e seios abundantes, sobrepõem-se ao contexto arquitectónico-escultural do enquadramento. Mas aí também a apreensão do olhar encontra alimento. Na fusão da carne esplêndida da mulher viva com as esculturas de pedra escorrendo água, é todo um mundo inanimado que subitamente, ao olhar, palpita fremente do desejo.
A água correndo sobre o corpo é o elemento indutor de toda esta atmosfera, na convocação instantânea da memória do prazer que o banho provoca em cada um de nós. Talvez o leitor esteja lembrado dos conselhos do Bispo de Sevilha à irmã sobre o banho como fonte de pecado, que em tempos aqui deixei.

Herman Leonard  Dexter gordon

Termino com outra foto icónica, mas desta vez dos prazeres da música e do vicio.

Dexter Gordon, nesta foto de Herman Leonard, na pose displicente, saxofone pousado, envolvido pelo fumo do cigarro, conta dos prazeres o que mil palavras não dizem e ao olhar se oferece.
Quando penso em jazz e no prazer da música é esta foto que à memória me ocorre.

Da explicitação dos prazeres do vicio deixo ao leitor a sua concretização.

Anúncios