Etiquetas

Nestas coisas de amor quando a adolescência floresce, a confusão com a revelação do sexo instala-se, e deslindar sentimentos e prazer de descoberta nem sempre é tarefa fácil e bem conseguida.
Não será o caso neste primeiro poema da inspiração de Pedro Homem de Melo (1904-1984), Revelação: a duvida não existe. O poema é apenas um acto de agradecimento à mulher que o fez, adolescente, entrar no paraíso.

Revelação

Tinha quarenta e cinco… e eu, dezasseis…

Na minha fronte, indómitos anéis

Vinham da infância, saltitando ainda.

 

Contavam dela: — Já falou a Reis!

Tinha quarenta e cinco… e eu, dezasseis…

 Formosa? Não. Mais que formosa: linda.

 

Seu olhar diz: Seja o que o Amor quiser

A verdade planta que os meus dedos tomem!

 

Pela última vez foste mulher…

E eu, pela vez primeira, fui um homem!

No poema que segue não há confusão entre amor e sexo. É amor sem sexo:

Pela ausência da carne em teu afecto,

e o poeta agradece com um

Obrigado

Por teu sorriso anónimo, discreto,
(O meu país é um reino sossegado…)
Pela ausência da carne em teu afecto,
Obrigado!

Pelo perdão que o teu olhar resume,
Por tua formosura sem pecado,
Por teu amor sem ódio e sem ciúme,
Obrigado!

Por no jardim da noite, a horas más,
A tua aparição não ter faltado,
Pelo teu braço de silêncio e paz,
Obrigado!

Por não passar um dia em que eu não diga
— Existo, sem futuro e sem passado.
Por toda a sonolência que me abriga…
Obrigado!

E tu, que hoje és meu íntimo contraste,
Ó mão que beijo por me haver cegado!
Ai! Pelo sonho intacto que salvaste,
Obrigado! Obrigado! Obrigado!

Por aqui fica a poesia hoje, no delicado recorte de um poeta mal-amado.

Anúncios