Etiquetas

Há uma precisão cirúrgica na poesia de Carlos de Oliveira (1921-1981). As palavras cortam como estilete afiado, dilacerando o leitor com a realidade que devolvem. São frequentemente poemas onde o verso, na sua medida exacta, transmite o mais lídimo conceito de poesia, qual seja este poema O Viandante, que a seguir transcrevo.

 

O Viandante

Trago notícias da fome
que corre nos campos tristes:
soltou-se a fúria do vento
e tu, miséria, persistes.
Tristes notícias vos dou:
caíram espigas da haste,
foi-se o galope do vento
e tu, miséria, ficaste.
Foi-se a noite, foi-se o dia,
fugiu a cor às estrelas:
e, estrela nos campos tristes,
só tu, miséria, nos velas.

 

Se, felizmente, a realidade próxima, raíz deste poema, um certo Portugal até finais dos anos 50, desapareceu, esta miséria extrema de que o poema pungentemente fala, grassas pelo mundo, sobretudo em África, sem que os países desenvolvidos consigam contribuir para uma solução que a extinga.

No entanto, como em toda a poesia intemporal, multiplas são situações em que sentimos em nós o que o poeta refere a concluir o poema:

Foi-se a noite, foi-se o dia,
fugiu a cor às estrelas:
e, estrela nos campos tristes,
só tu, miséria, nos velas.

 

Abre o artigo a imagem de uma pintura de Florian Maiorescu – People IV 2008, de colecção particular.

 

Anúncios