Etiquetas

Suite VollardNo culminar do imperecível cântico ao amor que é o conjunto de poemas de Cântico dos Cânticos ou Cântico Maior de Salomão, lemos os versos 8, 6-7, onde se canta a sem medida do amor, a sua força, a sua dignidade sem preço.

Trago ao blog algumas das versões que conheço entre traduções próximas do original e versões um tanto livres. Abro com a tradução de José Nunes Carreira, tradução integral do mais fidedigno original conhecido. Segue-se-lhe a versão da Bíblia Protestante. Depois, uma concisa versão de Herberto Helder a qual não inclui os versos finais sobre o sem-preço do amor. Leremos a seguir uma tradução do hebraico por Haroldo de Campos, com algumas belas opções vocabulares, a começar pela opção por sinete em vez de selo para dar a medida de como o amor se grava em nós. Termino com a tradução mais bela que conheço, por José Tolentino Mendonça, a qual, à fidelidade ao original alia soluções poéticas de enorme encanto.

 

Tradução de José Nunes Carreira

6

Faz de mim um selo

em teu coração estampado,

um sinete em teu braço.

Pois forte como a Morte é o Amor,

feroz como os infernos a paixão.

Seus dardos, dardos de fogo;

suas chamas…

7

Águas diluvianas não conseguem

extinguir o amor.

Torrentes não o levam de enxurrada.

Se alguém quisesse dar

por amor toda a fazenda

de sua casa,

só desprezo iria achar.

 

Versão da Bíblia

Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo

sobre o teu braço, porque o amor é forte como

a morte, e duro como a sepultura o ciúme;

as suas brasas são brasas de fogo, labaredas

do Senhor.

 

As muitas águas não poderiam apagar este amor,

nem os rios afogá-lo: ainda que alguém desse

toda a fazenda de sua casa por este amor,

certamente a desprezariam.

 

Versão de Herberto Helder

Põe-me como um selo em teu coração,

como um selo no teu braço.

Porque o amor é forte como a morte,

o amor único mais forte que a eternidade dos mortos.

As suas feições são como flechas de fogo,

uma chama de Deus.

 

As grandes águas não poderão extinguir o amor,

nem submergi-lo os rios

 

Tradução do hebraico de Haroldo de Campos

6

Grava-me como um sinete    sobre o teu coração

como um sinete    sobre o teu braço

pois forte como a morte    o amor

como o amargume do Sheol    o ciúme

Suas chamas    são chamas    de fogueira

o fogo ardente do Senhor

7

Altas águas    não poderão

apagar o amor

e torrentes de rios    não o afogarão

Um homem que ofereça     todos os seus bens de mais preço

para obter favor de amor

sobre ele o desprezo    o menosprezo

 

Tradução do hebraico de José Tolentino Mendonça

6

grava-me como selo no teu coração    como selo em teu braço

porque forte como a morte é o amor    voraz a paixão como o abismo

seus ardores são chamas de fogo    labaredas do Senhor

7

por maiores que sejam as águas    jamais apagarão o amor

rio nenhum o poderá submergir

entregasse alguém     toda a riqueza de sua casa para comprar o amor    

seria ainda tratado com desprezo.

 

Notícia bibliográfica

Tradução de José Nunes Carreira in Cantigas de Amor do Oriente Antigo, Edições Cosmos, Lisboa, 1999.

Versão da Bíblia, in edição autónoma de O Cântico dos Cânticos, Estúdios Cor, Lisboa, 1966.

Versão de Herberto Helder in O Bebedor Noturno, poemas mudados para português, Assírio & Alvim, Lisboa, 2010.

Tradução de Haroldo de Campos in Éden um Tríptico Bíblico, Editora Perspectiva, S. Paulo, 2004.

Tradução de José Tolentino Almeida in Cântico dos Cânticos, Edições Cotovia, Lisboa, 1997.

Anúncios