Etiquetas

De férias até Agosto, deixo-vos com uma irónica e desolada meditação, com arte poética à mistura, pela voz de Herberto Helder.

A vida vai-se irremediavelmente, e mesmo quando não o queremos aceitar, temos pena.

O ministério lírico, o mais grave e equívoco, o dom, não o tenho,

espreito-o, leitor,

por cima do ombro de outros,

rítmico, manuscrito,

porque sofro do êrro,

porque me não equilibro nas linhas,

palavras sim insubstituíveis mas

tão pouco sustentáveis,

sei contudo de alguns dançando à beira do abismo,

que tusa surreal!  

ou fodem murcho?

a mim, que não creio em Deus, pátria ou família,

em teorias gerais da linguagem,

na vida eterna,

na gramática,

na foda estrita,

em prática técnica nenhuma,

na glória da língua,

não há apoio de inserção que me valha,

e os poemas talvez não passem porque há muitos cães que ladram,

morro faz já bastante tempo,

ou não ganhei a mão esquerda certa,

ou não perdi a razão suficiente,

Bernardim, Gomes Leal, Ângelo de Lima, ou loucos,

para-me de repente o pensamento,

luzia a lusa língua,

se era o mesmo o ministério voltava sempre ao comêço,

exasperado, lúcido,

o mais música de câmara possível,

o recôndito,

o côrrego,

tão virgem nele se bebia a água,

e lisa, límpida, ligada,

e fria se revolvia nas chagas cruas da boca,

o ministério lírico era o de ferir palavras ou de ferir-se com elas,

oh terror e deslumbre,

acqua alta!

 

 

O poema foi publicado em Ofício Cantante por Assírio & Alvim, Lisboa 2009

 

 

Anúncios