Etiquetas

, ,

William Holman Hunt 1827-1910 - The awakening Conscience 1853 TateEm maré de beijos poéticos, venho com um poema do ultra-romantismo assinado António José de Sousa Almada e escrito em Lisboa, em 1848.

O poema apenas nos mostra, uma vez mais, a constância da palpitação erótica através das épocas e o impulso para a sua formulação poética.

Ao contrario de Catulo e dos seus beijos mil, o nosso jovem (suponho) clama da falta deles:

Dos beijos que por aí vão
Perdidos,… que nem eu sei;
Nem sequer um beijo só
Dos que se perdem, achei!


E mais, não é por descuido,
Nem por faltar-me o desejo,

E o nosso jovem(?) dando-se ares de inocente escreve:


Que eu não sei dizer ainda
O gosto que tem um beijo.

Pedi-los… não querem dar-me,
Furtá-los… não sei a quem,
Por mais que busque e pergunte
Onde estão?… e quem os tem?!

Que sabem bem… desconfio
Pois mo têm vindo contar;

Bom, com a conversa daqui a pouco esquartejo todo o poema, pelo que fico-me por mais esta citação:


E dizem também que há beijos
Que dados mais de uma vez:
Entumecem nos sentidos
Torrentes de languidez.

Passam os séculos mas chegada a idade certa, a conversa é sempre a mesma.

Eis o poema, retirado do pó de mais de 150 anos.

Os Beijos

Dos beijos que por aí vão
Perdidos,… que nem eu sei;
Nem sequer um beijo só
Dos que se perdem, achei!

E mais, não é por descuido,
Nem por faltar-me o desejo,
Que eu não sei dizer ainda
O gosto que tem um beijo.

Pedi-los… não querem dar-me,
Furtá-los… não sei a quem,
Por mais que busque e pergunte
Onde estão?… e quem os tem?!

Que sabem bem… desconfio!
Pois mo têm vindo contar:
Há beijo, que tira a cor,
Há beijo… que faz corar!

O beijo que tira a cor,
É beijo dado com medo;
Que sobressalta, e descora
A quem lhe guarda o segredo.

O beijo que faz corar,
É quase sempre o primeiro;
Murmúrio d’alma da virgem,
Que assoma aos lábios fagueiro.

Os beijos que são pedidos,
Pousa-os na face a vontade:
É o amor a dilatar-se
No perfume da amizade!

Mas os beijos que são dados
À vista de muita gente,
Desmerecem no apreço
E arrefecem de repente.

E dizem também que há beijos
Que dados mais de uma vez:
Entumecem nos sentidos
Torrentes de languidez.

Eu cá por mim, — nada sei,
Mas acho que estes são
Mistérios que não se explicam,
Segredos do coração!

Não sei: — nem mesmo se o beijo,
Revela às vezes, pousando,
Mística voz lá do céu
Que a boca não diz, falando!

E se inexacto julgarem
Os beijos que descrevi;
Mostrem-me as Damas o erro
Dando-me um beijo a mi!…

Que os beijos que por aí vão,
Perdidos,… que nem eu sei.
Nem sequer um beijo só
Dos que se perdem, achei.

Lisboa, 1848

Nota final

O poema vem publicado no Tomo IV de Lísia Poética, colectânea de poesia romântica e ultra-romântica publicada no Rio de Janeiro em 1849 por José Ferreira Monteiro.

A pintura que abre o artigo, denominada O despertar da consciência, 1853, é obra do pintor Pré-Rafaelista William Holman Hunt (1827-1910).

Anúncios