Da solidão no leito em dois poemas medievais

Etiquetas

, , ,

Iluminura 22x530O começo para esta conversa foi uma velha canção dos anos 70 na voz de Roberta Fack, Jesse. A interpretação tem tudo: na voz, o calor do desejo que queima na espera de quem se ama, dito em palavras que dele dão conta:

Jesse come home, there’s a hole in the bed / Where we slep; …,

Esta marca no colchão leva-nos à evocação de momentos felizes que se desejaria repetir. A canção vai por aí fora e eu levo-vos por outro caminho, que não o das vossas eventuais recordações de solidão no leito. Quem vier, vai ao encontro de outras bem mais antigas falas desta mesma dor da espera por um amor que não chega, quando o desejo arde e a cama teima em permanecer fria.

 

Primeiro, uma Cantiga de Amigo no Cancioneiro Galaico-Português de Juião Bolseiro, poeta provavelmente galego, e activo no terceiro quartel do século XIII, aqui em versão modernizada por Natália Correia:

 

Sem o meu amigo sinto-me sozinha

e não adormecem estes olhos meus.

Tanto quanto posso peço a luz a Deus

e Deus não permite que a luz seja minha.

  Mas se eu ficasse com o meu amigo

  a luz agora estaria comigo.

 

Quando eu a seu lado folgava e dormia

depressa passavam as noites; agora

vai e vem a noite, a manhã demora;

demora-se a luz e não nasce o dia.

  Mas se eu ficasse com o meu amigo

  a luz agora estaria comigo.

 

Diferente é a noite quando me aparece

meu lume e senhor e o dia me traz;

pois apenas chega logo a luz se faz.

Vai-se agora a noite, vem de novo e cresce.

  Mas se eu ficasse com o meu amigo

  a luz agora estaria comigo.

 

Padres nossos já rezei mais de um cento

implorando Àquele que morreu na cruz

que cedo me mostre novamente a luz

em vez destas longas noites de Advento.

  Mas se eu ficasse com o meu amigo

  a luz agora estaria comigo.

 

in Cantares dos Trovadores Galego-Portugueses, Editorial Estampa, Lisboa, 1970.

 

O outro poema, bem mais velho cerca de 700 anos, foi escrito por Venantius Fortunatus que viveu no século VI (ca. 540-ca. 600). Nele uma mulher fala de amor assim:

 

Sem ti, a noite vem com as asas pesadas;

sem ti, mesmo com sol, o dia é escuridão.

 

a que se acrescenta, em dúbia interpretação, uma nota mística de um conúbio com Cristo, mais tarde amplamente glosado por Santa Teresa de Ávila.

De que forma a linguagem de amor carnal apenas se refere nesta poesia medieval a amores espiritualizados, é matéria que ocupa especialistas. Aos não especialistas fica tão só a emoção que a palavra transmite, e com o nosso sentir joga.

 

A versão portuguesa é de David Mourao-Ferreira.

 

A mística donzela

 

Prostrada, a soluçar, não vejo quem desejo,

e abraço tristemente as pedras contra o peito.

Do esposo privada, aqui, no duro leito,

não o posso abraçar, como era meu desejo.

 

Oh! Dize-me onde estás! Onde te encontrarei?

Em que terra seguir-te, aí de mim, sempre ignota?

Ou terei de buscar nos astros minha rota

a fim de te alcançar, meu senhor e meu rei?

 

Sem ti, a noite vem com as asas pesadas;

sem ti, mesmo com sol, o dia é escuridão.

O lírio, a rosa, o nardo, o narciso não são

capazes de florir minh’alma abandonada.

 

Na esp’rança de te ver, observo cada imagem,

mas amor faz-me errar no alto os olhos vagos.

Chego assim a supor que só ventos pressagos

dirão de meu senhor a exacta paragem…

 

Quero lavar a lage onde puseres os pés,

co’o cabelo enxugar o solo de teus templos.

Só doçura acharei nos mais duros exemplos

se por fim puder ver, meu senhor, quem tu és…

 

Carmina, Livro VIII, 3, vv. 227-46

in Vozes da Poesia Europeia I, Colóquio Letras nº163, Lisboa, Jan-Abr 2003.

 

E agora, num novo salto de cerca de 700 anos em relação ao poema de abertura, a solidão cantada por Roberta Flack em 1971.

 

Jesse

 

Jesse come home, there’s a hole in the bed

Where we slept; now it’s growing cold.

Jesse your face, in the place where we lay

By the hearth, all apart, it hangs on my heart

 

And I’m keeping the light on the stairs

No I’m not scared; I wait for you

Hey Jesse, it’s lonely, come home.

 

Jesse the floors  and the walls, recalling

Your Steps; and I remember too.

All the pictures are fading and shading in grey

But  I still set a place on the table at noon

 

And I’m keeping the light on the stairs

No I’m not scared; I wait for you

Hey Jesse, it’s lonely, come home.

 

Jesse the spread on the bed,

Is like when you left, and I kept it for you.

And all the blues and the greens have been recently cleaned

And are seemingly new; hey Jesse, me and you

 

We’ll swallow the light on the stairs

I’ll fix up my hair, and sleep unaware

Hey Jesse, I’m lonely, come home.

Philip Larkin — Seja assim o poema

Etiquetas

,

Jean-Michel Basquiat (1960-1988) 04600pxEntendo, com Philip Larkin (1922-1985), que não há obras poéticas, mas poemas. Que a poesia é uma arte de singulares, e cada poema deve conter em si, da abertura ao fecho, a sua total significação. Fica o poema coxo se para a sua cabal compreensão são necessários conhecimentos de biografia do poeta ou detalhes de escola e enquadramento de época.

Na poesia de Larkin, em cada poema temos uma totalidade, seja um pequeno drama, um relato de frustração ou amargura, desenvolvendo-se em reflexões banhadas por uma ironia cáustica, e o todo contado em versos de uma clareza lapidar.

 

Transcrevo dois poemas, This Be The Verse e Sad Steps, em tradução de Rui Carvalho Homem.

 Jean-Michel Basquiat (1960-1988) 07600px

Seja assim o poema

 

 

Fodem-te a vida, o papá e a mamã,

  Mesmo que não seja essa a intenção.

Deixam-te todos os vícios que tenham

  E mais dois ou três, por especial atenção.

 

Mas no tempo deles também foram fodidos

  Por tolos trajando jaquetão e coco,

Que quando não estavam piegas ou hirtos

  Saltavam, raivosos, à veia, ao pescoço.

 

E assim é legada a felicidade,

  Vai mais e mais fundo, como o fundo do mar.

Foge mal tenhas oportunidade

  E quanto a teres filhos — isso nem pensar.
Jean-Michel Basquiat (1960-1988) 06600px

Tristes passos

 

Tropeçando de volta à cama depois de uma mija

Afasto as grossas cortinas e surpreendo-me

Com as nuvens que correm, com a lua tão limpa.

 

Quatro da manhã: jardins de sombras oblíquas, jazendo

Sob um céu cavernoso e rasgado pelo vento.

Há nisto uma faceta ridícula,

 

Na lua a lançar-se através de nuvens fugazes

E soltas como fumo de canhão, para logo se apartar

(A luz pétrea aguçando, cá em baixo, os telhados)

 

Alta e soberba e separada —

Pastilha de amor! Medalhão de arte!

Ó lobos da memoria! Imensidões! É certo,

 

Há um leve arrepio, quando se olha para o alto.

A dureza e a claridade e o alcance,

A singularidade de tão vasto e fixo olhar

 

É lembrança da força e da dor

De ser jovem; do que não se pode ter de novo,

Mas que é vivido por outros, em pleno, nalgum lugar.

 

in Philip Larkin, Janelas Altas, Edições Cotovia, Lisboa, 2004.

 

Termino com um episódio de memória, I Remember, I Remember, fazendo arco com o poema de abertura.

Como não encontrei versão portuguesa do poema, transcrevo apenas o original.

 

Jean-Michel Basquiat (1960-1988) 01600px

I Remember, I Remember

 

 

Coming up England by a different line

For once, early in the cold new year,

We stopped, and, watching men with number-plates

Sprint down the platform to familiar gates,

“Why, Coventry!” I exclaimed. “I was born here.”

 

I leant far out, and squinnied for a sign

That this was still the town that had been ‘mine’

So long, but found I wasn’t even clear

Which side was which. From where those cycle-crates

Were standing, had we annually departed

 

For all those family hols? . . . A whistle went:

Things moved. I sat back, staring at my boots.

‘Was that,’ my friend smiled, ‘where you “have your roots”?’

No, only where my childhood was unspent,

I wanted to retort, just where I started:

 

By now I’ve got the whole place clearly charted.

Our garden, first: where I did not invent

Blinding theologies of flowers and fruits,

And wasn’t spoken to by an old hat.

And here we have that splendid family

 

I never ran to when I got depressed,

The boys all biceps and the girls all chest,

Their comic Ford, their farm where I could be

‘Really myself’. I’ll show you, come to that,

The bracken where I never trembling sat,

 

Determined to go through with it; where she

Lay back, and ‘all became a burning mist’.

And, in those offices, my doggerel

Was not set up in blunt ten-point, nor read

By a distinguished cousin of the mayor,

 

Who didn’t call and tell my father There

Before us, had we the gift to see ahead

‘You look as If you wished the place in Hell,’

My friend said, ‘judging from your face.’ ‘Oh well,

I suppose it’s not the place’s fault,’ I said.

 

‘Nothing, like something, happens anywhere.’

 

 

Transcrito de Collected Poems, Faber and Faber, Londres, 2003.

Jean-Michel Basquiat (1960-1988) 04a600px

As imagens mostram obras de Jean-Michel Basquiat (1960-1988).

Alguma poesia de Thomas Bernhard

Etiquetas

,

Richter - Abstração 5Hoje trago-vos um poeta raro, o austríaco Thomas Bernhard (1931-1989), e uma tradução frequentemente fascinante dos seus versos.

Thomas Bernhard, porventura conhecido dos leitores como prosador, é, enquanto poeta, capaz de uma emoção surpreendente na forma como desenvolve um poema. À originalidade do verso acrescenta-se o percurso da ideia no poema, quiçá por vezes autobiográfica, que se resolve numa comoção

 Evidentemente, nem todos os poemas conseguem este efeito no leitor, mas existirem alguns é já uma enorme alegria para quem gosta de ler a vida na poesia. Transcrevo cinco.

 

 

Num tapete de água

Num tapete de água

vou bordando os meus dias,

os meus deuses e as minhas doenças.

 

Num tapete de verdura

vou bordando os meus sofrimentos vermelhos,

as minhas manhãs azuis,

as minhas aldeias amarelas e os meus pães de mel amarelos também.

 

Num tapete de terra

vou bordando a minha efemeridade.

Nele vou bordando a minha noite

e a minha fome,

a minha tristeza

e o navio de guerra dos meus desesperos,

que vai deslizando p’ra mil outras águas,

para as águas do desassossego,

para as águas da imortalidade.

 

 

 

Altentann

O dia despe a sua camisa.

Sobe, nu, para o canteiro do jardim

e chama a si os pássaros.

Nas poças negras

fica agachado o seu rosto vermelho,

que os camponeses despedaçaram.

A erva crava lanças de sombra

no meu cérebro…

 

Na janela vizinha

está pousado um pássaro

como se fosse o guarda dos meus pensamentos,

até que o rude sono

me descalce os sapatos molhados.

 

 

Chuva de Verão

Pássaros calem-se,

nenhuma tarde

me consola, por cima

da ponte cai a chuva

na minha tristeza, nenhum

rumor de Verão

me faz mudar,

nenhum vento

me impede de dormir…

 

Amanhã de manhã

não quero ir

para debaixo de nenhuma árvore,

as minhas pálpebras anseiam pelo sono

do Inverno e da neve,

quero, à chuva,

regressar

às folhas

e às arcas sombrias.

 

Pássaros, calem-se, tenho frio,

a minha sombra

cresce por cima

da noite

para os bosques,

aí descansam

sob flores negras

os mortos,

os mortos errantes.

 

 

Cansado

Estou cansado…

Com as árvores entabulei conversas.

Com as ovelhas sofri o horror da seca.

Com os pássaros cantei nas florestas.

Amei as raparigas da aldeia.

Ergui os olhos para o Sol.

Vi o mar.

Trabalhei com o oleiro.

Engoli o pó da estrada.

Vi as flores da melancolia no campo do meu pai.

Vi a morte nos olhos do meu amigo.

Estendi a mão para as almas dos afogados.

Estou cansado…

 

 

de Nove salmos

(“A alma de Deus está nos pescadores“)

 

IX

Já não tenho medo.

Não tenho medo

do que há-de vir.

Extingui a minha fome,

bebi o meu tormento até à última gota,

a minha morte torna-me feliz.

Levo os meus peixes

para o monte.

Nos peixes está tudo

o que deixo ficar.

Nos peixes está a minha tristeza,

e o meu fracasso está nos peixes.

Direi

como é esplêndida a Terra, quando eu chegar,

como é esplêndida a Terra…

Sem precisar de ter medo…

Espero

que o Senhor me espere.

Transcritos de Thomas Bernhard, Na Terra e no Inferno, tradução e introdução de José A. Palma Caetano, Assírio & Alvim, Lisboa, 2000.

Amor, Amores, no Cancioneiro Popular Português

Etiquetas

, , ,

Jan Steen - Auto-retrato como alaudistaAo Cancioneiro Popular Português fui buscar algumas quadras à volta do amor. Contam elas alegrias e desgostos, falam de amores ligeiros ou eternos, saudades e promessas vãs. Tudo naquela mescla de ingenuidade e sabedoria a que o verso de sete sílabas e a quadra chamada de pé-quebrado (rima abcb) transmite um especial encanto.

Antes dos assuntos sérios do amor, e porque tudo isto é para cantar, façamos um breve intróito à conta da inspiração:

 

Eu sei fabricar cantigas

Mesmo com o pó do chão:

Inda bem não digo uma,

Já vem outra de roldão…

 

E para o poeta que também é tocador, algumas apreciações:

 

O tocador da viola

É bonito, toca bem:

Amigo das raparigas,

É o pior que ele tem!

 

Mas nem sempre o tocador tem o coração volúvel, se não, leiam:

 

Eu dedilho na guitarra

As cordas do coração.

Pela guitarra é que eu tive

A posse da tua mão.

 

E se mulher não há…

 

Guitarra, minha guitarra,

Só tu és a minha amiga:

Ficas comigo na cama,

És a minha rapariga.

LISIEWSKA, Anna Rosina - Alegoria do ouvir 600pxFeito o intróito, passemos ao sério:

 

O amor quando se encontra

Causa penas e dá gosto:

Sobressalta o coração,

Sobem as cores ao rosto.

 

Isto sabido, vamos aos variados estados amorosos:

 

A dúvida:

 

Tenho um dedo que adivinha,

Um dedo que me diz tudo;

Perguntei-lhe se me amavas,

Mas o ladrão ficou mudo…

 

A certeza:

 

Não te amo por um dia

Nem só por uma semana;

Amo-te por toda a vida,

Se o coração não me engana.

 

O estado apaixonado:

 

Mal sabes quanto me alegro

Quando te vejo defronte:

É como quem morre à sede

E põe a boca na fonte!

 

O meu coração do teu

É bem ruim de apartar:

É como a alma do corpo

Quando Deus a vem buscar.

 

Ai, muito custa uma ausência

A quem na sabe sentir!

Mas mais custa uma presença

De ver e não possuir!

 

Dormindo sonho contigo,

De dia contigo estou;

Tua imagem vem comigo

P’ra todo o lado onde vou.

 

Esta noite sonhei eu

Cuidando que era já tua;

Tive tantas alegrias

Como pedras há na rua!

 

O amor e o seu fim:

 

Lá vai o rio correndo

Oh, quem mo dera agarrar!

O amor é como o rio:

Vai-se e não torna a voltar.

 

Ainda que o lume se apague

Na cinza fica o calor;

Ainda que o amor se ausente

No coração fica a dor.

 

Aquele primeiro amor

Que no mundo tem a gente

Não sei que doçura tem

Que lembra constantemente

 

(Var) Que alembra eternamente.

 

Outras variadas formas de viver o amor onde entre peitos e penas surge alguma variedade expressiva:

 

Ó minha bela menina,

Ponha o seu amor só num;

Não traga muitos à trela,

Que pode ficar sem nenhum.

 

 

Ando cansado da vida,

Ando doente do peito;

Dá-me xarope de beijos,

Dá-me chá de amor-perfeito.

 

Esta noite me obrigaram

A dormir c’uma morena;

A pena maior que eu tive:

Ser a noite tão pequena.

 

A pena com que te escrevo

Não é de nenhum pavão,

Criada foi em meu peito,

Junto do meu coração.

 

Despeço-me com vontade de ser o passarinho da quadra final:

 

Que passarinho é aquele,

Que no ar faz ameaços?

Com o bico pede beijos,

Com as asas pede abraços!

 

Uma fábula de Bingre em início de Carnaval

Etiquetas

, ,

Dalí - Nu com seios de caracol

No mundo dos nossos dias, repartido entre o intelectualmente pretensioso e a ignorância militante, a fábula é género desprezado. E, no entanto, quanto conhecimento dos homens elas encerram na frescura e aparente inocência das suas formas poéticas.

Conhece a tradição ocidental três conjuntos maiores, que de algum modo se retomam entre si com variações, e são: os fabulários de Esopo e Fedro, vindos da antiguidade grega e romana, e as fábulas de La Fontaine do pós-renascimento, reelaboração de fábulas da antiga Índia compiladas por Roudaki sob o nome Kalilè e Demnè.

Por cá, ainda que surjam pontualmente nos mais diversos autores, foram sobretudo os poetas do neo-clacissismo português que a praticaram, com destaque para Bocage, a Marquesa de Alorna, Cruz e Silva, e Curvo Semedo. Filinto Elisio traduziu para verso português (sem rima) as Fábulas de La Fontaine, e no primeiro quartel do século XIX, Almeida Garrett também a praticou. Mais tarde, Henrique O’Neill reuniu um vasto acervo de apólogos, próprios e alheios, de qualidade poética desigual, num livro, Fabulário, que é hoje raridade de alfarrabista. Pela mesma altura João de Deus criou verdadeiras jóias, e em meados do século XX, Cabral do Nascimento editou um fabulário original, entre o melhor da sua obra.

Mas não será de nenhum destes autores a escolha de hoje. Será antes de Francisco Joaquim Bingre a fábula que lereis: marotice inocente vestida pela zoologia, em início de temporada de Carnaval.

Bingre, companheiro de Bocage na Academia das Belas Letras ou Nova Arcádia, foi autor de uma obra vastíssima até há pouco desconhecida, e da qual, há semanas, trouxe amostras ao blog.

 

O Caracol e a Lesma

Fábula

 

Um caracol retorcido

Com a lesma era casado:

Que negra vida com ela

Não padecia o coitado!

 

Ele dormia na casca,

Ela pegada à parede;

Um aranhão lhe chupava

A reima, se tinha sede.

 

Nestes encontros noturnos

Gozavam prazeres mornos:

Ao enroscado marido

Nasceram dois lindos cornos.

 

Ele escondia-os no búzio,

Envergonhado do sol.

Quantos não conheço eu,

Com frontes de caracol?!

 

in Obras de Francisco Joaquim Bingre,volume V, poema 711, edição de Vanda Anastácio, Lello Editores, 2003.

A mim Deus encanta-me — um poema de Jaime Sabines

Etiquetas

BELBELLO DA PAVIA, Luchino - Visconti hours 1430 AHá muitas formas de falar de Deus em poesia: da oração à apóstrofe, passando pela ironia, incompreensão ou indiferença. Com Jaime Sabines (1926-1999), México, no poema Me encanta Dios, que hoje transcrevo, é uma bonomia salpicada por ironia suave o que encontramos na descrição do bom Deus dos cristãos, e de onde lhe advém todo o encanto. Deixo-vos com o original e uma tradução minha.

 

Deus encanta-me

 

Deus encanta-me. É um velho magnífico que não se toma a sério. Gosta de jogar e joga, e às vezes perde a cabeça e parte-nos uma perna ou derrota-nos definitivamente. Mas isto acontece porque é um pouco cegueta e bastante aselha de mãos.

 

Enviou-nos alguns tipos excepcionais como Buda, ou Cristo, ou Maomé, ou a minha tia Cofi, para que nos digam que nos portemos bem. Mas isto a ele não o preocupa muito: conhece-nos. Sabe que o peixe grande come o pequeno, que a lagartixa grande come a pequena, que o homem come o homem. E por isso inventou a morte: para que a vida —nem tu nem eu— a vida, seja para sempre.

 

Agora os cientistas veêm com a sua teoria do Big Bang… Mas que importa se o universo se expande interminavelmente ou se contrai? Isto é assunto só para agências de viagens.

 

A mim Deus encanta-me. Pôs ordem nas galáxias e distribui bem o trânsito no caminho das formigas. E é tão brincalhão e travesso que no outro dia descobri que fez —perante um ataque dos antibióticos— bactérias mutantes!

 

Velho sábio ou menino explorador, quando deixa de brincar com os seus soldados de chumbo e de carne e osso, faz campos de flores ou pinta o céu de maneira incrível.

 

Move uma mão e faz o mar, e move a outra e faz o bosque. E quando passa por cima de nós, ficam as nuvens, pedaços do seu respirar.

 

Dizem que às vezes se enfurece e faz terramotos, e manda tempestades, caudais de fogo, ventos desatados, águas aleivosas, castigos e desastres. Mas isto é mentira. É a terra que muda —e se agita e cresce— quando Deus se afasta.

 

Deus está sempre de bom humor. Por isso é o preferido dos meus pais, o escolhido dos meus filhos, o mais próximo dos meus irmãos, a mulher mais amada, o cãozinho e a pulga, a pedra mais antiga, a pétala mais terna, o aroma mais doce, a noite insondável, o borboteo de luz, o manancial que sou.

 

Gosto, a mim Deus encanta-me. Que Deus bendiga Deus.

 

 

Me encanta Dios

 

Me encanta Dios. Es un viejo magnífico que no se toma en serio. A él le gusta jugar y juega, y a veces se le pasa la mano y nos rompe una pierna o nos aplasta definitivamente. Pero esto sucede porque es un poco cegatón y bastante torpe de las manos.

 

Nos ha enviado a algunos tipos excepcionales como Buda, o Cristo, o Mahoma, o mi tía Chofi, para que nos digan que nos portemos bien. Pero esto a él no le preocupa mucho: nos conoce. Sabe que el pez grande se traga al chico, que la lagartija grande se traga a la pequeña, que el hombre se traga al hombre. Y por eso inventó la muerte: para que la vida —no tú ni yo—, la vida, sea para siempre.

 

Ahora los científicos salen con su teoría del Big Bang… Pero ¿qué importa si el universo se expande interminablemente o se contrae? Esto es asunto sólo para agencias de viajes.

 

A mí me encanta Dios. Ha puesto orden en las galaxias y distribuye bien el tránsito en el camino de las hormigas. Y es tan juguetón y travieso que el otro día descubrí que ha hecho —frente al ataque de los antibióticos— ¡bacterias mutantes!

 

Viejo sabio o niño explorador, cuando deja de jugar con sus soldaditos de plomo y de carne y hueso, hace campos de flores o pinta el cielo de manera increíble.

 

Mueve una mano y hace el mar, y mueve la otra y hace el bosque. Y cuando pasa por encima de nosotros, quedan las nubes, pedazos de su aliento.

 

Dicen que a veces se enfurece y hace terremotos, y manda tormentas, caudales de fuego, vientos desatados, aguas alevosas, castigos y desastres. Pero esto es mentira. Es la tierra que cambia —se agita y crece— cuando Dios se aleja.

 

Dios siempre está de buen humor. Por eso es el preferido de mis padres, el escogido de mis hijos, el más cercano de mis hermanos, la mujer más amada, el perrito y la pulga, la piedra más antigua, el pétalo más tierno, el aroma más dulce, la noche insondable, el borboteo de luz, el manantial que soy.

 

A mí me gusta, a mí me encanta Dios. Que Dios bendiga a Dios.

 

O poema encerra o livro Recuento de Poemas (1950-1993), Visor Libros, Madrid 2014, reunião da sua obra poética, de onde o transcrevi.

Podem os leitores encontra no YouTube vários vídeos em que o poeta lê este seu famoso poema.

Sobraremos em versos nos dias futuros — poemas de Vítor Matos e Sá

Etiquetas

Jackiewicz W - Obras XII 1995Nada mudou

podes vir

de novo e com

o mesmo nome.

 

Em qualquer lugar

a distância para a morte

é a mesma.

 

Desigual é apenas

a vida que perdemos…

 

Com este poema encerram os compiladores o livro póstumo de Vítor Matos e Sá (1926-1975), Companhia Violenta, Coimbra, (1980). Livro de variada escolha, nele abundam os poemas de amor:

 

Misturo os teus gestos com os dias

para não os perder inteiramente

 

A poesia de Vítor Matos e Sá entranha-se-me mais e mais a cada leitura. Transcrevo hoje, e ainda deste mesmo livro, mais alguns sábios e tocantes poemas que de amor falam:

— afago

para a faminta solidão

dos ombros —

 

*

O amor ensina-me

a dizer-te gesto a gesto

até que cantar-te

pareça feito apenas

de beijos — e crê

cantar-te assim

não vem da perícia

mas dos anos.

 

**

Trouxeste-me até

à cama intacta

do teu corpo e à verde

transparência dos teus olhos

antecipadores. E deste-me

a certeza dos seios

quase imóveis sob

o incessante coração

intenso e vulnerável.

 

***

Um e outro deitados

na imóvel areia desta

noite acompanhamos

a vasta rotação

da terra.

 

****

É o gosto que os frutos deixaram

em teus lábios

a demorada recapitulação das tardes

em tua fronte

e a mão esquecida pelo sol

nos cabelos — afago

para a faminta solidão

dos ombros

e o secreto acordo entre o mar

e o corpo — enquanto

o outro lado dos teus olhos repousa

em grandes cidades-primaveras.

 

*****

Todos nós temos

os nossos terrores

nossas faces perdidas

algures nas cidades

do Verão da Primavera.

 

Não é fácil. Eu sei.

É uma dor em que estarás

mais só com a tua

morte, de mais ninguém senão

da importância de seres

única e frágil dentro

dos meus braços.

 

Para terminar, um poema que aproxima a dimensão filosófica de muita da poesia de Vítor Matos e Sá:

 

 

A cara

de morte-por-fora

que o dormir nos dá

 

sem outro dentro

a não ser a falta

de andar a tempo

pelo andar do mundo

 

ou a chamar-lhe nosso

só com transportá-lo

 

ou neste dar morada

ao que de nós se gasta

a desgastar o fundo

que só dele importa

e que por nós se afasta.

 

e finalmente, do ciclo Poemas para a Construção do Mundo, incluido no primeiro livro do poeta, Horizonte dos Dias (1952), o poema

 

 

VII – Epitáfio

 

Sobraremos em versos nos dias futuros;

hão-de abrir-nos, numa inesperada hora macia,

e uma voz que dirá outros nomes, dias, esperanças,

nos erguerá como um vento desfolha

um antigo silêncio de cortinas…

Francisco Joaquim Bingre – apresentação e poesia

Etiquetas

,

Lyonel Feininger 01 600pxÉ vasta, variada, e de qualidade média elevada, a obra poética de Francisco Joaquim Bingre (1763-1856). A obra permaneceu inédita na quase totalidade até à edição levada a cabo por Vanda Anastácio entre 2000 e 2005. São 6 grossos volumes e um total de 2089 poemas. Perco-me neles desde que existem, e o prazer de ler é imenso.

Observador acutilante da realidade humana, social e política do Portugal entre as duas Marias rainhas, a I e a II: são quase setenta anos passados à lupa com uma inspiração poética que atravessou escolas e manteve uma originalidade que ainda hoje surpreende e encanta.

As histórias literárias, quando reescritas, dar-lhe-ão o lugar de destaque que merece. Até lá os leitores abertos à descoberta encontram neste corpus poético infindáveis horas de prazer.

Sinceramente não sei por onde começar a dar-vos conta desta poesia que frequentemente me prende: se transcrever o verso mordaz, a meditação existencial, a observação de costumes, as peripécias da juventude ou as vissicitudes de uma vida duríssima, que nos últimos vinte anos do poeta, entre os setenta e os noventa rondou frequentemente a miséria.

Profissionalmente fora escrivão e tabelião em Mira (Aveiro) desde 1801, e em 1834, com a reforma judiciária, foi despedido. Contava à data 70 anos. Viveu os restantes 23 anos quase sempre na maior miséria segundo os relatos contemporâneos que nos chegaram. Por exemplo, conforme cita Inocêncio no seu Dicionário Bibliográfico Português de uma carta do poeta a Costa e Silva:

Aqui estou viúvo há vinte e cinco anos; aqui tenho enterrado muitos filhos e netos; aqui findarei os tristes dias de oitenta e cinco invernos, vítima da fome e da penúria, com uma filha viúva e cinco netos, sem abrigo, senão o das carcomidas asas deste desditoso velho!

Também o refere na sua poesia, qual seja um pungente soneto onde à sua madrasta sorte junta as de Camões e Bocage, entre outros:

 

 

Velhice e Pobreza (Poetas Pobres)

 

Soneto 142

 

Morreu pobre o Camões, pobre o Garção;

Quita e Matos viveram na pobreza;

Bocage teve lances de escasseza,

Muitos dias sofreu falta de pão.

 

Santos e Silva tinha uma ração

Do Hospital na botica, por fineza.

Parece que capricha a Natureza

Em fechar à poesia a destra não!

 

Aqueles foram vates de alto espanto,

Que deixaram no mundo eterno nome,

Muitas vezes comendo o próprio pranto;

 

Tal o Bingre mirrado se consome:

Se os não pode imitar no doce canto,

Ele os imita vítima da fome.

[2072]

 

O poeta viveu 93 anos. Gozou de fama junto dos escritores românticos, apesar da escassa obra publicada, e aos 89 anos, em 14-12-1852, um grupo de jovens, tendo dado conta da situação de miséria em que o poeta se encontrava, promoveu no Porto um sarau de beneficência com o apoio financeiro de António Bernardo Ferreira (o filho da Ferreirinha, a D. Antónia do vinho do Porto) à cabeça, cujo conteúdo poético foi posteriormente reunido na brochura O Benefício do Poeta Bingre, o qual subsistiu até ao século XXI como a notícia de que Bingre tinha existido e fora alvo da admiração de contemporâneos. Antes, em 1850, e também com fim beneficente, fora editado o folheto O Moribundo Cisne do Vouga com alguns poemas de Bingre.

Fundador, e membro, com Bocage e outros, da Academia das Belas Letras em Lisboa, também conhecida como Nova Arcádia, nela teve o nome de Francélio Vouguense e entre os contemporâneos foi também conhecido como Cisne do Vouga.

Sedutor inveterado, se a poesia fala verdade, avançado na idade, a certa altura escreveu:

Um homem que adorou tanto as mulheres,

Quando tem, como eu, longeva idade,

Nas caveiras medita o fim dos seres.

[1358]

 

 

E é sobre como o poeta viu o amor ao longo da vida que me decido às transcrições escolhendo tão só alguns sonetos em que o D.Juan se despede e medita sobre a irremediável passagem do tempo.

 

*

Foi o tempo da minha mocidade

Assaz bem liberal para comigo:

Foi-me sempre risonho e meu amigo,

Enquanto me durou viril idade.

 

Mas hoje, na fatal caducidade

A afeição me perdeu, e o amor antigo:

É-me escasso, é cruel, é inimigo

Bastantemente meu, não tem piedade.

 

Quando eu, na minha fúnebre velhice,

Mais dele precisava para escora

Da cansada existência e da tontice,

 

Me desampara o falso Tempo agora!

Ai, quanto me enganou na meninice!

Quem se pode livrar de mão traidora!

[1402]

 

Ao Desengano

 

Já dos males de amor estou curado;

Não me lembram traições de vãs beldades,

Ingratidões, agravos, falsidades:

Já vivo de tudo isso deslembrado.

 

Não me lembra se amei ou fui amado,

Nem se tive prazer co’as falsidades;

Não conservo desejos, nem saudades;

Vivo todo esquecido do passado.

 

Graças mil dou ao Santo Desengano,

Que nas águas do Letes sonolento

Me fez largar memórias desse engano.

 

Tenho limpo de Amor o pensamento.

Esqueci-me, curei todo o meu dano,

Quando no rio entrei do esquecimento.

[1780]

 

*

Homem cego em paixões, surdo à verdade,

Que te esqueces do barro de que és feito,

De que o pó amassado, em pó desfeito

Reverter para a terra outra vez há-de!

 

Se sabes que a emprestada quantidade

Deves pagar, por natural direito,

Como vives no mundo satisfeito

Na escravidão da estúpida Vaidade?

 

No réu ocaso pensa; olha que um dia

As pompas, os brasões, forças, talento,

Se hão-de sumir co’a louca fantasia.

 

Pensa, pensa no ultimo momento;

Considera que a tua cinza fria

Dispersa levará, pelo ar, o vento.

[1793]

 

Duas meditações de arrependimento: pois o homem, crente, goza, mas depois pesa-lhe:

 

*

Cheio de insipidez, triste e sem gosto,

Vivo maquinalmente em ansiedade,

Arrastando o grilhão da longa idade,

Abafando no peito o meu desgosto.

 

Esvoaçando poisam no meu rosto

Os remorsos da minha mocidade:

Assusta-me a tremenda eternidade,

E o tremendo juiz no trono posto.

 

Os delitos da minha extensa vida

Tem na sua rectíssima balança

A concha esquerda para o chão pendida.

 

Desgraçado de mim, se ele não lança

Na direita algum sangue da ferida

De seu lado, onde amor mais peso alcança.

[1398]

 

**

Vivido tenho assaz: que resta agora

De tão longa existência e tanta dura?

Pedir à madre Terra a sepultura,

Para o pó receber de que é credora.

 

Vai findar a carreira encantadora;

E os prazeres da mágica doçura

Trocados vejo, em fúnebre amargura,

De uma falsária dita enganadora.

 

Que resta mais na triste despedida?

Pedir perdão desse estragado uso,

Que fiz no mundo, de uma extensa vida.

 

A vossos pés, meu Deus, venho confuso

Piedade implorar nesta partida:

Contrito a vós, Senhor, com dor me acuso.

[1400]

 

Termino com uma serena reflexão sobre a finitude da existência, de par com a constatação, numa originalíssima formulação  poética, do extraordinário da máquina humana:

 

Vai parar esta máquina excelente,

Este raro relógio delicado,

Este moto contínuo humanizado,

Esta assombrosa construção vivente:

 

A corda vai quebrar, do gasto dente

Da roda que a prendia, tem saltado:

Todo o composto jaz desconcertado,

A pêndula de um fio está pendente.

 

Trabalhou sobre um eixo de diamante

Julgais oitenta e três em marcha certa

Com muito pouca variação rodante:

 

Hoje de todo o Tempo o desconcerta,

Pouco trabalha já, durou bastante,

Mas já seu mesmo Autor o não concerta.

[2061]

 

 

Os números entre [ ] que seguem os poemas transcritos indentificam os poemas na edição de Vanda Anastácio, Obras de Francisco Joaquim Bingre, colecção Obras Clássicas da Literatura Portuguesa, Lello Editores, 6 volumes, 2000-2005.

Camões — Pode um desejo imenso

Etiquetas

Matisse - Rosto de mulher 1935 invertAfastamento e dor de ausência, amor, distância, beleza lembrada, mais que idealizada: Tais asas dá o desejo ao pensamento!

De tudo a que o amor aspira, contado no superlativo da singularidade da amada, se faz a mais bela das odes de Camões, [Pode um desejo imenso].

 

Ode VI da edição de 1598 das Rimas

 

Pode um desejo imenso

arder no peito tanto

que à branda e à viva alma o fogo intenso

lhe gaste as nódoas do terreno manto,

e purifique em tanta alteza o esprito

com olhos imortais

que faz que leia mais do que vê escrito.

 

Que a flama que se acende

alto tanto alumia

que, se o nobre desejo ao bem se estende

que nunca viu, a sente claro dia;

e lá vê do que busca o natural,

a graça, a viva cor,

noutra espécie milhor que a corporal.

 

Pois vós, ó claro exemplo

de viva fermosura,

que de tão longe cá noto e contemplo

n’alma, que este desejo sobe e apura;

não creais que não vejo aquela imagem

que as gentes nunca vêem,

se de humanos não têm muita ventagem.

 

Que, se os olhos ausentes

não vêem a compassada

proporção, que das cores excelentes

de pureza e vergonha é variada;

da qual a Poesia, que cantou

até ‘qui só pinturas,

com mortais fermosuras igualou;

 

se não vêem os cabelos

que o vulgo chama de ouro,

e se não vêem os claros olhos belos,

de quem cantam que são do Sol tesouro,

e se não vêem do rosto as excelências,

a quem dirão que deve

rosa, cristal e neve as aparências;

 

vêem logo a graça pura,

a luz alta e severa,

que é raio da divina fermosura

que n’alma imprime e fora reverbera,

assi como cristal do Sol ferido,

que por fora derrama

a recebida flama, esclarecido.

 

E vêem a gravidade

com a viva alegria,

que misturada tem, de qualidade

que ūa da outra nunca se desvia;

nem deixa ūa de ser arreceada,

por leda e por suave,

nem outra, por ser grave, muito amada.

 

E vêem do honesto siso

os altos resplandores,

temperados co doce e ledo riso,

a cujo abrir abrem no campo as flores;

as palavras discretas e suaves,

das quais o movimento

fará deter o vento e as altas aves;

 

dos olhos o virar,

que torna tudo raso,

do qual não sabe o engenho divisar

se foi por artifício, ou feito acaso;

da presença os meneios e a postura,

o andar e o mover-se,

donde pode aprender-se fermosura.

 

Aquele não sei quê,

que aspira não sei como,

que, invisível saindo, a vista o vê,

mas para o compreender não acha tomo;

o qual toda a Toscana poesia,

que mais Febo restaura,

em Beatriz nem em Laura nunca via;

 

em vos a nossa idade,

Senhora, o pode ver,

se engenho e ciência e habilidade

igual à fermosura vossa der,

como eu vi no meu longo apartamento,

qual em ausência a vejo.

Tais asas dá o desejo ao pensamento!

 

Pois se o desejo afina

ūa alma acesa tanto

que por vós use as partes da divina,

por vós levantarei não visto canto,

que o Bétis me ouça, e o Tibre me levante;

que o nosso claro Tejo

envolto um pouco vejo e dissonante.

 

O campo não o esmaltam

flores, mas só abrolhos

o fazem feio; e cuido que lhe faltam

ouvidos para mim, para vós olhos.

Mas faça o que quiser o vil costume;

que o sol, que em vós está,

na escuridão dará mais claro lume.

 

Transcrito de Lírica Completa III, edição de Maria de Lurdes Saraiva, INCM, Lisboa, 1981.

Nota ortográfica

Substituí na transcrição vêm por vêem.

A 3ªpessoa do plural do presente indicativo do verbo Ver vem escrito vêm na edição referida acima, por razões que desconheço.

Camões — Transforma-se o amador na cousa amada

Etiquetas

Arpad Sczenes -Conversação IV 1949Quem tem de amores o tempo e da razão o tormento, esquece quanto o pensamento se engana em questões de coração. Vem isto a propósito de um famoso soneto de Camões onde o poeta reflecte sobre o amor idealizado e de como só pensar não satisfaz um coração amante.

Nestas coisas do amor parece-me que o muito analisar, conversar, reflectir e esmiuçar, complica mais do que esclarece. Saber deixar o tempo pulir a aspereza que a vida em nós eriça, acaba por ser a mais sábia forma de equilibrar o amor imaginado com a realidade que ele oferece. Mas voltando a Camões, como nos fala então o poeta?

Começa por afirmar: Transforma-se o amador na cousa amada, / Por virtude do muito imaginar, e a certa altura interroga-se: Que mais deseja o corpo de alcançar? Certamente não será rebolar-se apenas com ideias, diria eu, o que afinal o poeta confirma ao concluir o poema afirmando: [E] o vivo e puro amor de que sou feito, / Como a matéria simples busca a forma.

Calo-me e deixo o poeta falar.

Transforma-se o amador na cousa amada,

Por virtude do muito imaginar;

Não tenho, logo, mais que desejar,

Pois em mim tenho a parte desejada.

 

Se nela está minha alma transformada,

Que mais deseja o corpo de alcançar?

Em si somente pode descansar,

Pois consigo tal alma está liada.

 

Mas esta linda e pura semideia,

Que, como o acidente em seu sujeito,

Assim co’a alma minha se conforma,

 

Está no pensamento como ideia;

[E] o vivo e puro amor de que sou feito,

Como a matéria simples busca a forma.

 

Luís de Camões, edição Lobo Soropita, 1595.

 

Num outro soneto igualmente famoso — Pede o desejo, Dama, que vos veja — dá-nos Camões  exactamente a contraparte do imaginado, na manifestação do desejo de ver a quem se ama.

 

Pede o desejo, Dama, que vos veja:

Não entende o que pede; está enganado.

É este amor tão fino e tão delgado,

Que quem o tem não sabe o que deseja.

 

Não há cousa a qual natural seja,

Que não queira perpétuo seu estado.

Não quer logo o desejo o desejado,

Porque não falte nunca onde sobeja.

 

Mas este puro afeito em mim se dana:

Que, como a grave pedra tem por arte

O centro desejar da natureza,

 

Assim meu pensamento (pela parte

Que vai tomar de mim, terrestre [e] humana)

Foi, Senhora, pedir esta baixeza.

 

Luís de Camões, edição Lobo Soropita, 1595.

 

Abre o artigo a imagem de uma pintura de Arpad Sczenes (1897-1985), Conversação IV, de 1949.