Etiquetas

, , ,


Continuo a desafiar os leitores do Blog para a poesia antiga.

Publicado este artigo num tempo em que a audiência do blog se contava por meia dúzia de leitores, o artigo tem permanecido escondido entre o mais de meio milhar de artigos do arquivo do blog. Resolvi despertá-lo, na tentativa de encontrar novos leitores para um poeta maior que dá gosto ler.

Hoje, o autor é conhecido e lendária a paixão por Marília. Será a sua poesia assim conhecida?

Despida dos convencionalismos arcádicos que pululam na maior parte da poesia portuguesa da segunda metade do sec. XVIII, é a nobreza e verdade do sentimento o que nos comove ao lê-la.

Do lirismo do tempo de Coimbra ainda com sabor ao soneto quinhentista, à variedade poética com que envolve a sua paixão por Marília, temos um conjunto de belíssima poesia de que escolho quase ao acaso alguns poemas.


Antes de Marília

Vamos com o jovem poeta do sonho de riqueza ao coração dividido por dois amores

I

Num fértil campo do soberbo Douro,

Dormindo sobre a relva, descansava,

Quando vi que a fortuna me mostrava,

Com alegre semblante, o seu tesouro.


De uma parte, um montão de prata e ouro

Com pedras de valor o chão curvava;

Aqui um ceptro, ali um trono estava,

Pendiam coroas mil de grama e louro.


– Acabou-se – diz-me então – a desventura:

De quantos bens te exponho qual te agrada,

Pois benigna o concedo, vai, procura.


Escolhi, acordei, e não vi nada:

Comigo assentei logo que a ventura

Nunca chega a passar de ser sonhada.


II

É gentil, é prendada a minha Altéia;

As graças, a modéstia do seu rosto

Inspiram no meu peito maior gôsto

Que ver o próprio trigo quando ondeia.


Mas, vendo o lindo gesto de Dircéia,

A nova sujeição me vejo exposto;

Ah! Que é mais engraçado, mais composto

Que a pura esfera, de mil astros cheia!


Prender as duas com grilhões estreitos

É uma acção, ó deuses, inconstante,

Indigna dos sinceros nobres peitos.


Cupido, se tens dó de um triste amante,

Ou forma de Lorino dous sujeitos,

Ou forma desses dous um só semblante.


Retrato e paixão por Marília

Primeiro o retrato.

Os olhos:

ao sol se excedem / na luz que dão,

o resto di-lo o poema.


Depois a paixão com um poema que nos dá conta do que sente o apaixonado sem remédio.

se não vivera /

uma esperança / no peito seu, /

já morto estava / o bom Dirceu.


III

A minha amada / é mais formosa

que branco lírio, / dobrada rosa,

que o cinamomo,  / quando matiza / co’a folha a flôr.

Vénus não chega / ao meu amor.


Vasta campina, / de trigo cheia,

quando na sesta / co vento ondeia,

ao seu cabelo, / quando flutua, / não é igual.

Tem a cor negra, / mas quanto val!


Os astros, que andam / na esfera pura,

quando cintilam  / na noite escura,

não são, humanos, / tão lindos como / seus olhos são,

que ao sol se excedem / na luz que dão.


Às brancas faces / ah! Não se atreve

jasmim de Itália, / nem inda a neve,

quando a desata / o sol brilhante / com seu calor.

São neve, e causam / no peito ardor.


Na breve boca / vejo enlaçadas

as finas per’las / com as granadas;

a par dos beiços, / rubis da India / têm preço vil.

Neles se agarram / amores mil.


Se não lhe desse / compadecido,

tanto socorro / o deus Cupido;

se não vivera / uma esperança / no peito seu,

já morto estava / o bom Dirceu.


Vê quanto pode / teu belo rosto,

e de gozá-lo / o vivo gosto!

Que submergido / em um tormento / quase infernal,

porqu’inda espero, / resisto mal.


IV

Não sei, Marília, que tenho, / Depois que vi o teu rosto,

Pois quanto não é Marília / Já não posso ver com gosto.

Noutra idade me alegrava, / Até quando conversava

Com o mais rude vaqueiro: / Hoje, ó bela, me aborrece

Inda o trato lisonjeiro / Do mais discreto pastor.

Que efeitos são os que sinto?

Serão efeitos de amor?


Saio da minha cabana / Sem reparar no que faço;

Busco o sítio aonde moras / Suspendo defronte o passo.

Fito os olhos na janela; / Aonde, Marília bela,

Tu chegas ao fim do dia; / Se alguém passa e te saúda,

Bem que seja cortesia, / Se acende na face a cor.

Que efeitos são os que sinto?

Serão efeitos de amor?


Se estou, Marília, contigo, / Não tenho um leve cuidado;

Nem me lembra se são horas / De levar à fonte o gado.

Se vivo de ti distante, / Ao minuto, ao breve instante

Finge um dia o meu desgosto; / Jamais pastora te vejo

Que em teu semblante composto / Não veja graça maior.

Que efeitos são os que sinto?

Serão efeitos de amor?


Ando já com o juizo, / Marília, tão perturbado,

Que no mesmo aberto sulco / Meto de novo o arado.

Aqui no centeio pego, / Noutra parte em vão o sego;

Se alguém comigo conversa, / Ou não respondo, ou respondo

Noutra coisa tão diversa, / Que nexo não tem menor.

Que efeitos são os que sinto?

Serão efeitos de amor?


Se geme o bufo agoureiro, / Só Marília me desvela,

Enche-se o peito de mágoa, / E não sei a causa dela.

Mal durmo, Marília, sonho / Que fero leão medonho

Te devora nos meus braços: / Gela-se o sangue nas veias,

E solto do sono os laços / À força de imensa dor.

Ah! Que os efeitos, que sinto,

Só são efeitos de amor!


O namoro e a explicação do sexo

Brincadeiras, ciúme, e como se fazem meninos com exemplos colhidos na natureza.


V

Num sitio ameno, / cheio de rosas, / de brancos lírios / murtas viçosas.

Dos seus amores / na companhia / Dirceu passava / alegre o dia.

Em tom de graça, / ao terno amante / manda Marília / que toque e cante.

Pega na lira, / sem que a tempere, / a voz levanta, / e as cordas fere.

Cos doces pontos / a mão atina, / e a voz iguala / à voz divina.

Ela, que teve / de rir-se a ideia, / nem move os olhos, / de assombro cheia.

Então Cupido / aparecendo, / à bela fala, / assim dizendo:

– Do teu amado / a lira fias, / só por que dele /zombando rias?

Quando num peito / assento faço, / do peito subo / à lingua e braço.

Nem creias que outro / estilo tome, / sendo eu o mestre, / a acção teu nome.


VI

Minha Marília, / tu enfadada? / Que mão ousada

perturbar pode / a paz sagrada / do peito teu?

Porém que muito / que irado esteja

o teu semblante: / também troveja / o claro céu.


Eu sei, Marília, / que outra pastora / a toda hora,

em toda a parte, / cega namora / ao teu pastor.

Há sempre fumo / aonde há fogo:

Assim, Marília, / há zelos, logo / que existe amor.


Olha, Marília, / na fonte pura / a tua alvura,

a tua boca / e a compustura / das mais feições.

Quem tem teu rosto / Ah! Não receia

que terno amante / solte a cadeia, / quebre os grilhões.


Não anda Laura / nestas campinas / sem as boninas

no seu cabelo, / sem peles finas / no seu jubão.

Porém que importa? / O rico asseio

não dá, Marília, / ao rosto feio / a perfeição.


Quando apareces / na madrugada, / mal embrulhada

na larga roupa, / e desgrenhada, / sem fita ou flor,

Ah! Que então brilha / a natureza!

Então se mostra / tua beleza / inda maior.


O céu formoso, / quando alumia / o sol de dia,

ou estrelado, / na noite fria, / parece bem.

Também tem graça / quando amanhece;

até Marília, / quando anoitece / também a tem.


Que tens, Marília, / que ela suspire, / que ela delire,

que corra os vales, / que os montes gire, / louca de amor?

Ela é que sente / esta desdita;

e na repulsa / mais se acredita / o teu pastor.


Quando há, Marília, / alguma festa / lá na floresta,

(fala a verdade!) / dança com esta / o bom Dirceu?

E se ela o busca, /vendo buscar-se,

não se levanta, / não vai sentar-se / ao lado teu?


Quando um por outro / na rua passa, / se ela diz graça

ou muda o gesto, / esta negaça / faz-lhe impressão?

Se está fronteira, / e brandamente /

lhe fita os olhos, / não põe, prudente, / os seus no chão?


Deixe o ciúme, / que te desvela, / Marília bela;

nunca receies / dano daquela / que igual não fôr.

Que mais desejas? /Tens lindo aspecto;

Dirceu se alenta / de puro afecto, /de pundonor.


VII

Marília, de que te queixas? / De que te roube Dirceu

O sincero coração? / Não te deu também o seu?

E tu, Marília, primeiro / Não lhe lançaste o grilhão?

Todos amam; só Marília

Desta lei da natureza

Queria ter isenção?


Em torno das castas pombas / Não rulam ternos pombinhos?

E rulam, Marília, em vão? / Não se afagam os biquinhos?

E a provas de mais ternura / Não os arrasta a paixão?

Todos amam; só Marília

Desta lei da natureza

Queria ter isenção?


Já viste, minha Marília, / Avezinhas que não façam

Os seus ninhos no verão? / Aquelas, com quem se enlaçam,

Não vão cantei-lhes defronte / Do mole pouso, em que estão?

Todos amam; só Marília

Desta lei da natureza

Queria ter isenção?


Se os peixes, Marília, geram / Nos bravos mares e rios,

Tudo efeitos de amor são. / Amam os brutos ímpios,

A serpente venenosa, / A onça, o tigre, o leão.

Todos amam; só Marília

Desta lei da natureza

Queria ter isenção?


As grandes deusas do céu / Sentem a seta tirana

Da amorosa inclinação / Diana, por ser Diana,

Não se abrasa, não suspira / Pelo amor de Endimião?

Todos amam; só Marília

Desta lei da natureza

Queria ter isenção?


Desiste, Marília bela, / De uma queixa sustentada

Só na altiva opinião. / Esta chama é inspirada

Pelo céu, pois nela assenta / A nossa conservação.

Todos amam; só Marília

Desta lei da natureza

Queria ter isenção?


A prisão

Num pungente canto, assistimos ao desfilar dos terrores da prisão a que o amor por Marília oferece o conforto e a esperança.

O poema termina de forma admirável com a exclamação:  Vê, Marília, o quanto pode / contra meus males teu rosto!


VIII

Se o vasto mar se encapela / e na rocha em flor rebenta,

grossa nau, que não tem leme, / em vão sustentar-se intenta;

até que naufraga e corre / à discrição da tormenta.


Quem não tem uma beleza, / em que ponha o seu cuidado,

se o céu se cobre de nuvens, / e se assopra o vento irado,

não tem forças que resistam / ao impulso do seu fado.


Nesta sombria masmorra, / aonde, Marília, vivo,

encosto na mão o rosto, / fico ás vezes pensativo.

Ah! Que imagens tão funestas / me finge o pesar activo!


Parece que vejo a honra, / Marília, toda enlutada;

a face de um pai, rugosa, / num mar de pranto banhada;

os amigos macilentos, / e a familia consternada.


Quero voltar os meus olhos / para outro diverso lado:

vejo numa grande praça / um teatro levantado;

vejo as cruzes, vejo os potros, / vejo o alfange afiado.


Um frio suor me cobre, / lassam-me os membros, suspiro;

busco alívio às minhas ânsias, / não o descubro, deliro.

Já, meu bem, já me parece, / que nas mãos da morte expiro.


Vem-me então ao pensamento / a tua testa nevada,

os teus meigos, vivos olhos, / a tua face rosada,

os teus dentes cristalinos, / a tua boca engraçada.


Qual, Marília, a estrela d’alva, / que a negra noite afugenta;

qual o sol, que a névoa espalha, / apenas a terra aquenta;

ou qual íris, que o céu limpa, / quando se vê na tormenta.


Assim, Marília, desterro / triste ilusão e demência;

faz de novo o seu oficio / a razão e a prudência;

e firmo esperanças doces / sobre a cândida inocência.


Restauro as forças perdidas, / sobe a viva cor ao rosto,

gira o sangue pela veia / e bate o pulso, composto.

Vê, Marília, o quanto pode / contra meus males teu rosto!

Lida hoje, a sinceridade do sentimento expresso e a forma singela despida de arrebiques, faz nosso contemporâneo este poeta e esta poesia. Quem alguma vez amou reconhece a cada passo  as dúvidas, os anseios, a hipérbole da admiração e a esperança de redenção a que o amor conduz.


Noticia biográfica e bibliográfica


Tomás António Gonzaga (1744-1810) nascido no Porto, passou a adolescência no Brasil de onde voltou com 17 anos, em 1761, para se matricular na Universidade em Coimbra no ano seguinte, estudar leis, e de onde saiu graduado em 1768, aos 24 anos.

Tendo exercido cargos públicos como Juiz em Portugal, foi nomeado em 1782 Ouvidor de Vila Rica no Brasil, para onde partiu nesse ano e nunca mais regressou a Portugal.

Vila Rica era a capital de Minas Gerais, por onde ao tempo passavam ouro e diamantes com destino a Portugal.

Integrado na sociedade local, conheceu Maria Doroteia, menina da boa sociedade, na altura com cerca de 17 anos. Linda, a ajuizar por testemunhos da época, deu a volta à cabeça do nosso poeta, a entrar nos 40.

O namoro pegou, e foi esta Maria Doroteia a Marília cantada por Gonzaga, que a si atribuiu o nome de Dirceu.

O namoro prosseguiu por entre as complicações politicas em torno do Ouvidor e em meados de 1787 o casamento estava assente.


Entre as complicações em torno do homem que para a obra do poeta nos interessam, esteve a publicação das Cartas Chilenas, sátira veemente aos desmandos e tiranias do Governador de Minas, escritas na clareza de linguagem que caracteriza o poeta e ás vezes de uma ironia pungente. Estas Cartas Chilenas circularam sem nome de autor.

Foi por esta altura, 1788, que o depois famoso “Tiradentes”, alferes Joaquim José da Silva Xavier, concebeu a ideia de um levantamento armado que proclamasse a indepêndencia de Minas Gerais em relação à coroa portuguesa.

Os maiores amigos de Gonzaga, Alvarenga Peixoto e Cláudio Manuel da Costa, ambos poetas notáveis, brasileiros de nascimento, envolveram-se na conspiração. Aparentemente o nosso poeta tinha na conspiração um pé dentro e outro fora.

Um dos visados nas Cartas Chilenas, Joaquim Silvério dos Reis, foi quem denunciou a conjura junto do Governador e apontou Gonzaga como chefe da conspiração.

A 21 de Maio de 1789 o Governador ordenou a prisão de Gonzaga, e em vésperas do casamento o poeta foi enviado para o Rio de Janeiro e encarcerado na Fortaleza da Ilha das Cobras.

Após 3 anos de prisão Gonzaga, foi condenado a 10 anos de degredo em Moçambique, e a 23 de Maio de 1792 partiu para Africa com mais seis réus do que ficou conhecido como Inconfidência.

Não voltaria a ver Marília.


Do resto da vida passada em Moçambique, onde morreu em 1810, dá conta com abundantes detalhes, Manuel Rodrigues Lapa na edição crítica das Poesias e Cartas Chilenas, publicada no Rio de Janeiro em 1957 pelo Instituto Nacional do Livro, e de cujo prefácio me socorri para as informações que acima deixei.


Sob o título “Marília de Dirceu e outras poesias”, foi a poesia amorosa de Tomás António Gonzaga publicada na colecção Clássicos Sá da Costa, onde conheceu ampla divulgação. A edição foi de M. Rodrigues Lapa, e anterior à edição crítica que acima referi. Segundo o editor, ás condições da edição em plena 2ª Guerra Mundial, em 1942, se devem algumas insuficiências da edição Sá da Costa, colmatadas na edição crítica de 1957 feita no Brasil.

Anúncios