Etiquetas

Tal como a roda, depois de inventada não mais desaparece, assim algumas canções: uma vez concebidas passam a fazer parte do mundo, do nosso mundo quando as conhecemos. Nestas visitas ao baú aparecem uma vez por outra. Não será o caso destas interpretações de Elvis Presley, mas ouvi-las traz um frémito de adolescência a qualquer idade, sobretudo este Are you lonesome tonight (1960).

Funcionando como a outra parte de um díptico,  It’s now or never (1960)  versão de O sole mio, transporta não já a pergunta, mas insta, com a urgência de ou tudo ou nada: be mine to night … my love won’t wait.

Mais que canções foram convites explícitos ao amor, e a partir de 1960, levaram adolescentes ao rubro. São canções que moldaram socialmente o mundo, numa extensão inapreciável hoje, por quem apanhou o comboio da vida depois do make love not war, ou noutra versão, como encontrei escrito na contra-capa de um disco em vinyl de meados dos anos 60: no money, no war … paz, amor e liberdade.

Para completar a curta viagem acrescento Love me tender (1956), o que permitirá ver o caminho percorrido em tão pouco tempo na explicitação do desejo, no texto destas canções para teenagers. Em Love me tender o desejo reveste formulações de juras de amor eterno, e quatro anos depois passamos a uma explicita conversa de travesseiro.

 

As letras das canções estão disponíveis em muitos sites na net pelo que me dispenso de as acrescentar aqui.

Anúncios